"Sinal Vermelho" 16/06/2020 21h01 Atualizado às 21h14

Brigada Militar adere à campanha contra a violência doméstica

Denúncias poderão ser feitas pelas vítimas em farmácias de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires que estiverem cadastradas na campanha

A Brigada Militar aderiu à campanha contra a violência doméstica na tarde desta terça-feira, 16. A ação, que é uma iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), contará com a participação do Comando do 23º Batalhão de Polícia Militar (23°BPM), através de policiais da Patrulha Maria da Penha da Brigada Militar de Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires. A campanha tem como objetivo criar alternativas para as mulheres vítimas de violência doméstica acionarem os órgãos de proteção.

Uma das consequências da quarentena é a exposição de mulheres e crianças a uma maior vulnerabilidade dentro do próprio lar. Devido a isso, a vítima pode ter dificuldades para denunciar as agressões porque está sob constante vigilância. Portanto, conforme instruído pela campanha, ao escrever/desenhar um ‘X’ na mão e apresentar esse símbolo em uma farmácia – ao farmacêutico ou ao atendente –, a vítima poderá receber auxílio, para posterior acionamento da Polícia Militar.

LEIA TAMBÉM: Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia

Após a denúncia, os profissionais das farmácias seguem um protocolo para comunicar à polícia e ao acolhimento à vítima. Balconistas e farmacêuticos não serão conduzidos à delegacia nem serão, necessariamente, chamados para testemunhar.

Para colocar em prática a união de esforços e criar mecanismos para denunciar a violência doméstica, a Patrulha Maria da Penha está cadastrando as farmácias que querem colaborar com a campanha “Sinal Vermelho”. Maiores informações sobre a iniciativa podem ser solicitadas pelo e-mail 23bpm-pmpenha@brigadamilitar.rs.gov.br

LEIA TAMBÉM: Santa Cruz tem redução dos casos de violência contra a mulher