Coronavírus 23/05/2020 08h56

Rodada final de pesquisa começa neste sábado

Alunos da Unisc vão aplicar 500 testes na população até o fim de domingo, em 50 setores de Santa Cruz do Sul

Será realizada no fim de semana a quarta e última fase da pesquisa que busca estimar o número de pessoas que já contraíram o coronavírus no Rio Grande do Sul. Nesta rodada, que se inicia neste sábado, 23, e vai até o fim de domingo, 24, a meta é aplicar testes rápidos e entrevistar 4,5 mil moradores em nove cidades das regiões demográficas do Estado, segundo classificação do IBGE: Canoas, Caxias do Sul, Ijuí, Passo Fundo, Pelotas, Porto Alegre, Santa Cruz do Sul, Santa Maria e Uruguaiana.

A Unisc, sendo uma das universidades que apoia a iniciativa, conta com o trabalho de acadêmicos e professores voluntários das áreas da saúde que visitarão residências de forma aleatória em Santa Cruz do Sul. Segundo a diretora de Inovação e Empreendedorismo da Unisc e coordenadora da pesquisa em Santa Cruz do Sul, Andréia Valim, serão 32 alunos com idades entre 21 e 32 anos, divididos por bairro em 29 setores no sábado e 21 no domingo.

LEIA TAMBÉM: Brasil registra mil mortes por Covid-19 nesta sexta-feira

Serão aplicados dez testes por setor, totalizando 290 neste sábado e 210 no domingo. “Serão mais 500 testes em Santa Cruz, o que irá totalizar 2 mil pessoas examinadas. Finalizando essa amostra, conseguiremos ter uma ideia de como está a resposta sorológica de anticorpos do novo coronavírus na nossa população”, explicou Andréia Valim.

Na tarde dessa sexta-feira, 22, os estudantes que irão realizar a pesquisa participaram de um treinamento na Unisc. “Para não colocarmos a campo nenhum aluno positivado para Covid-19, todos os participantes foram testados neste treinamento, aplicando em seus colegas os mesmos testes que irão usar na população”, ressaltou a coordenadora da pesquisa em Santa Cruz do Sul.

LEIA MAIS: Santa Cruz recebe nova fase de pesquisa com testes rápidos no fim de semana

Mesmo com chuva, trabalho está confirmado
Os dados mais recentes da pesquisa desenvolvida pelo Estado estimam que, para cada caso notificado, existam nove não contabilizados pelas estatísticas oficiais. “Essa nossa testagem serve para identificar o desenvolvimento de imunidade e anticorpos pelas pessoas. Mostra se elas desenvolveram uma resposta imunológica frente ao novo coronavírus”, comentou Andréia Valim.

Segundo a epidemiologista Mariângela Freitas Silveira, integrante da coordenação do estudo, mesmo com previsão de chuva para o Estado, os entrevistadores estarão nas ruas, realizando os testes e entrevistas domiciliares. “É fundamental que as pessoas recebam os entrevistadores e participem da pesquisa. Somente com essa colaboração, o estudo poderá ter resultados precisos e colaborar com evidências científicas para estratégias de enfrentamento da pandemia”, disse ela.

LEIA MAIS: Como é feito o teste rápido da pesquisa que mapeia o coronavírus em Santa Cruz

Durante a visita, os entrevistadores coletam uma amostra de sangue (uma gota) da ponta do dedo do participante, para ser analisada pelo aparelho de teste em aproximadamente 15 minutos. Enquanto o resultado é processado, o morador responde a um breve questionário sobre informações sociodemográficas básicas, sintomas da Covid-19 nas últimas semanas, busca por assistência médica e rotina da família em relação às medidas de prevenção e isolamento social.

Se o resultado for positivo, os profissionais entregam um informativo com orientações e repassam o contato do participante para acompanhamento e suporte da Secretaria de Saúde do município. A pesquisa inédita, encomendada pelo governo do Estado para a Universidade Federal de Pelotas (UFPel), tem o custo de R$ 1,5 milhão, em financiamento da Unimed Porto Alegre, do Instituto Cultural Floresta, também da capital, e do Instituto Serrapilheira, do Rio de Janeiro. “Esperamos poder finalizar com chave de ouro essa investigação sobre o novo coronavírus em Santa Cruz do Sul”, projetou Andréia Valim.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS