FLEXIBILIZAÇÃO 10/11/2020 07h11 Atualizado às 10h59

Educação Infantil retoma atividades nesta terça em Santa Cruz

Das 20 Emeis do município, 16 retornam com atendimento escalonado, com apenas 50% do teto de ocupação por dia

Depois de quase oito meses fechadas devido à pandemia, as Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) de Santa Cruz do Sul estão autorizadas a retomarem as atividades a partir desta terça-feira, 10. Ao todo, 16 instituições iniciam os atendimentos. São elas as escolas Aliança, Beija Flor, Bem Me Quer, Castelo Infantil, Criança Feliz, Gente Miúda, Linha Santa Cruz, Margarida Aurora, Monte Alverne, Mundo Mágico, Pequeninos do Faxinal, Pingo de Gente, Raio de Sol, Santo Antônio, Vila Nova e Vovô Arno. As demais voltam no dia 17, mesma data em que está previsto o retorno dos estudantes do Ensino Fundamental. A decisão prevê que o plano de contingência aprovado do município seja respeitado. O atendimento em cada escola será escalonado, com 50% do teto de ocupação.

Em entrevista ao Programa Estúdio Interativo da Rádio Gazeta FM 107,9, a secretária municipal de Educação, Juliana Bach, ressaltou a importância de cada um fazer sua parte para evitar o contagio. “Depois de um ano bastante complicado e diferente para todos nós, retornaremos nossas atividades, mas não dentro da normalidade com a qual a gente estava acostumado, com todas as crianças ao mesmo tempo. Porém, com segurança, seguindo um processo baseado nos protocolos do governo para ter novamente nossas crianças e jovens em nossas escolas”, destacou. “Pedimos que todos sigam as regras e façam uso de máscara de proteção. Na chegada haverá a aferição da temperatura. A higienização que já ocorria agora será reforçada com álcool 70%. Teremos álcool em gel em todos os estabelecimentos.”

A retomada das aulas presenciais será dividida em grupos. “Serão o grupo A e o B. Enquanto alguns estarão nas unidades na terça e na quinta, os demais estarão na quarta, sexta e segunda. Na outra semana muda o cronograma, para que todos sejam assistidos de igual forma. Temos um cálculo de ocupação de dez crianças por sala e precisamos seguir a determinação”, esclareceu. Segundo Juliana, uma pesquisa feita em agosto com os pais apontou que metade das famílias estava com medo de mandar as crianças à escola. No entanto, a realidade atual é diferente. “Agora, como a maior parte da comunidade está mais confiante, o número de crianças a retornar será maior”, comentou.

LEIA MAIS: Transferências na educação infantil de Santa Cruz podem ser solicitadas até sexta

Escolas adaptam os espaços para manter distanciamento
A necessidade de manter o distanciamento social fez com que os profissionais da Emei Castelo Infantil, no Bairro São João, se organizassem para melhor acolher as crianças. A escola, que tem 188 alunos de 4 meses a 6 anos, com atendimento do berçário à pré-escola, fez o distanciamento das mesas de sala de aula e dos berços, e colocou demarcações nos corredores, no saguão e em outros espaços de convivência.

Os banheiros receberam dispenser de álcool em gel. Já os bebedouros continuam lacrados e a maior parte dos brinquedos foi guardada. Apenas uma pequena parte será disponibilizada às crianças, sendo higienizada em seguida. A limpeza dos ambientes será feita de forma frequente com produtos específicos e álcool 70%. Tapetes sanitizantes, para higienização dos calçados, foram dispostos nas entradas e saída do prédio. Na chegada, todas as pessoas passarão por aferição da temperatura.

De acordo com a diretora, Roselene Beatriz da Rosa, as mudanças também alteram o funcionamento do refeitório. “Enquanto alguns fazem a lanche no refeitório, outros farão na sala. Ainda não sabemos quantos alunos irão retornar neste primeiro momento, mas estamos preparados para este novo normal”, destacou.

LEIA TAMBÉM: Aulas presenciais na rede municipal de Santa Cruz voltam a partir de 10 de novembro

Cristina e o medidor de temperatura: na chegada, será feita a aferição nas crianças | Foto: Rafaelly Machado


Na Emei Criança Feliz, no Bairro Bom Jesus, que atende crianças de 4 meses a menores de 5 anos, as mudanças também foram significativas. Além de todas as demarcações nos espaços, a entrada do prédio se dá pela porta principal e a saída pela lateral. Cartazes foram colados nas paredes, para orientar os pais e responsáveis sobre as regras de higiene para evitar a disseminação do vírus.

Haverá aferição da temperatura na chegada, e o acesso dos pais será permitido somente até o portão. A maioria dos brinquedos também foi guardada, apenas uma parte será disponibilizada e depois higienizada. Segundo a atendente Cristina Neu, o refeitório também terá capacidade reduzida. “Só poderão permanecer seis alunos por vez. Enquanto alguns estão aqui neste espaço, outros farão o lanche na sala. O mesmo acontece com o espaço dos professores, onde será permitido apenas três por vez para fazer sua alimentação”, explica. As portas e janelas deverão ficar abertas em tempo integral.


LEIA TAMBÉM: Estado antecipa retorno das aulas presenciais do Ensino Fundamental

Transporte escolar
Com a retomada das atividades presenciais nas salas de aula, inicialmente pelos alunos da Educação Infantil, o transporte dos estudantes também retorna, com adaptações. De acordo com a secretária de Educação, Juliana Bach, os veículos deverão operar com metade da capacidade. A higienização deverá ser constante. Além disso, as janelas terão de permanecer abertas para arejar. O uso de máscara de proteção será obrigatório.

RECURSO EXTRA
Sobre a volta das demais Emeis, a secretária Juliana disse que nem todas têm a mesma capacidade de retorno. “Em algumas ainda faltam funcionários para a higienização, outras estão preparando o acolhimento e a organização do ambiente às novas rotinas”, disse. Ela informou ainda que todas as escolas receberam um recurso extra para aquisição de produtos de higiene, a fim de obter mais eficiência no combate à Covid-19.

“Através do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), que já faz um repasse às escolas durante o ano, uma parcela extra foi fornecida para reforçar a verba das instituições de ensino para a compra de materiais de limpeza e higiene pessoal, como álcool gel, álcool 70% e água sanitária, entre outros itens que as instituições poderão adquirir o mais rápido possível. A escola terá autonomia para adquirir os materiais necessários”, salientou.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS