Alerta 06/04/2021 07h52

Vacinas contra gripe e Covid-19 devem ser feitas com intervalo de 14 dias

O grupo prioritário das duas campanhas de imunização é semelhante: idosos, pessoas com doenças crônicas e profissionais da saúde, entre outros

Na próxima semana, o Brasil inicia uma nova e grande campanha de vacinação, desta vez contra a gripe. Na rede pública, a imunização começa no dia 12 e vai até 9 de julho. Um alerta é que o grupo prioritário para vacinação contra a gripe é o mesmo da imunização contra a Covid-19: idosos, pessoas com doenças crônicas e profissionais da saúde, entre outros.

LEIA MAIS: Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa em abril

A recomendação é que o público-alvo das campanhas dê prioridade à imunização contra o coronavírus e fique atento para o intervalo entre ambas as vacinas. Conforme o responsável pelo setor de Imunização da Prefeitura de Santa Cruz do Sul, Roger Rodrigues Perez, a indicação é que haja uma distância de 14 dias entre a aplicação das doses.

“As pessoas devem ficar atentas a este intervalo. Aquelas, com mais de 80 anos, que fizeram a vacina da Covid no começo, já podem receber a dose contra a gripe. Nesta semana, o município está estruturando a estratégia de início da campanha”, acrescenta Roger.

LEIA MAIS: Vacinação de agentes de segurança em Santa Cruz segue nesta terça-feira

A vacinação contra a gripe foi dividida em três etapas. O primeiro grupo é formado por crianças, com idade de 6 meses a 6 anos, gestantes, mulheres que acabaram de ter filhos, povos indígenas e trabalhadores da saúde. Os postos vão aplicar as doses de 12 de abril a 10 de maio. De 11 de maio até 8 de junho, vai ser a vez dos idosos e dos professores.

No último mês, de 9 de junho a 9 de julho, vão ser vacinados pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, com deficiência permanente, forças de segurança e salvamento, Forças Armadas, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privadas de liberdade.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS


MAIS LIDAS