Memória 23/10/2017 10h09

Orquestral Arthur (II)

Orquestral Arthur tocava os grandes sucessos nacionais e internacionais

Foto: Reprodução

Agenda estava sempre cheia, com bailes por todo o Estado
Agenda estava sempre cheia, com bailes por todo o Estado

Semana passada, lembramos um pouco da história do Orquestral Arthur. Ele surgiu em Monte Alverne e, por volta de 1970, transferiu-se para a cidade, transformando-se em um dos principais grupos do Estado.

Conforme Donato Weis, filho do fundador Arthur Fernando Weis, o sucesso veio com a urbanização. A orquestra passou a tocar em grandes eventos e boates em Santa Cruz e no Estado, incluindo bailes de debutantes, rainhas e estudantes e de aniversários de clubes e entidades. 

Além das músicas dançantes clássicas, a orquestra tinha um diferencial, que era o repertório atualizado com os grandes sucessos nacionais e internacionais. O final dos anos 60 e a década de 70 foram fartos em músicas novas e versões, tudo embalado pelo movimento da Jovem Guarda, Beatles, MPB e festivais.

Os maestros ouviam, preparavam os arranjos e o cantor tirava a letra. Não existia “baixar da internet”. Os sucessos eram bem ensaiados e já apresentados no baile seguinte. A atualização impressionava o público.


Repertório atualizado era uma das marcas da orquestra

O Orquestral Arthur também inovou no guarda-roupa e no show de luz negra (novidade na época). O grupo parou nos anos 80. Como sucessor, surgiu Donato e seu Conjunto (também extinto).

Além dos músicos citados na edição anterior, outros participaram em momentos diversos. Dentre eles, Valmor Bartz, Helmuth Haag, Paulo Boaventura, Nestor Schilling, Carlos Stoll, Astor Nyland, Lula Helfer, Ricardo Karl, Sílvio Kanitz, Pedro Campos, Delmar Rodrigues, Carlos Procat, Gerson Carvalho, Arno Korn e Milton Fuelber.