Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

ECONOMIA

Bolsonaro diz que vai manter auxílio emergencial se pandemia continuar

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se a pandemia da Covid-19 permanecer, o governo federal manterá o auxílio emergencial para a população. “A gente espera que, com a vacina e com a questão da pandemia sendo dissipada, não seja mais preciso. Mas, se porventura continuar, nós manteremos o auxílio emergencial”, declarou o presidente, sem dar detalhes, na manhã desta sexta-feira, 30.

A fala representa uma mudança de discurso do chefe do Executivo, que durante todo o ano passado criticou o beneficio, à época, no valor de R$ 600,00. Bolsonaro inclusive chegou a declarar que gostaria de destinar o valor usado para pagar o auxílio para o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, investir em obras públicas. Em diversas declarações, Bolsonaro argumentou que manter o auxílio “quebraria o País”, e que o governo não poderia dar continuidade ao pagamento do benefício por muito tempo, pois ele só aumentava a dívida da União. A resistência do Executivo em estender o auxílio, mesmo com valores mais baixos, levou o benefício a ser suspenso nos primeiros três meses deste ano.

LEIA TAMBÉM: Caixa conclui nesta sexta pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial

Apesar da possibilidade de extensão, conforme o presidente avalia, a “economia formal está indo bem”, mas benefícios como auxílio emergencial e o Bolsa Família devem ser analisados, uma vez que gastam grande quantidade de dinheiro público. “Temos que pensar nisso, e gastar dinheiro nisso, ou se endividar, o que é a palavra mais correta, para atender aos mais necessitados até que a economia volte a ser normalizada”, declarou Bolsonaro, que afirmou que, em uma reunião com a Economia, será acertado o novo valor do Bolsa Família.

Bolsonaro reforçou que o governo deve apresentar, até o início de agosto, uma medida provisória (MP) reformulando programas sociais e que o benefício médio do novo Bolsa Família deve subir 50% ou mais, diante da inflação. Atualmente, o Bolsa Família paga, em média, R$ 190,00 por família. Com 50% de reajuste, esse valor chegaria a R$ 285,00.

Com tom otimista para a vacinação, o chefe do Executivo manteve a promessa feita pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, de que a vacinação no País deve ser finalizada até o final do ano. “Nossa programação foi bem feita e está sendo executada”, afirmou o presidente. Mesmo reconhecendo o progresso da campanha de vacinação nacional, Bolsonaro reiterou que a imunização não será obrigatória à população.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.