PAÍS 17/01/2020 22h33 Atualizado às 23h00

Regina Duarte foi convidada para assumir Secretaria da Cultura

Roberto Alvim foi demitido da pasta nesta sexta-feira e substituído, interinamente, por José Paulo Martins

A atriz Regina Duarte foi convidada nesta sexta-feira, 17, pelo presidente Jair Bolsonaro, para assumir a secretaria de Cultura do Governo Federal. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo apurou, ela ainda não respondeu. De forma interina, a pasta vai ser ocupada por José Paulo Martins. Ele já atuava no setor como secretário-adjunto.

Duarte já havia sido convidada para integrar o governo no início do ano passado, mas recusou. A atriz é uma das mais famosas apoiadoras de Bolsonaro e já elogiou a política do governo no setor.

Em novembro, ela havia criticado a nomeação de Alvim. Nas redes sociais ela elogiou a decisão de Bolsonaro em mudar a pasta de ministério (da Cidadania para o Turismo), mas também disse não ‘aprovar’ totalmente a escolha do ex-diretor da Funarte para o cargo. “Não posso dizer que aprovo esta nomeação. Quem me conhece sabe que se eu pudesse opinar, teria sugerido outro perfil de pessoa para ocupar cargo de tal responsabilidade. Alguém com mais experiência em gestão pública e mais “agregadora” da classe artística”, escreveu na época.

Em outubro de 2018, Duarte manifestou publicamente seu apoio a Jair Bolsonaro. “Ele tem uma alma democrática”, disse Regina na ocasião, interpretando as declarações consideradas homofóbicas e racistas do então candidato como frutos de um homem com um “humor brincalhão típico dos anos 1950, que faz brincadeiras homofóbicas, mas que são da boca pra fora, coisas de uma cultura envelhecida, ultrapassada”.

Nesta sexta-feira, Bolsonaro demitiu o secretário de Cultura, Roberto Alvim, após a referência ao nazismo em vídeo divulgado nas redes sociais. Ao anunciar o Prêmio Nacional das Artes, Alvim cita textualmente trechos de um discurso do ideólogo nazista Joseph Goebbels. Após a demissão de Roberto Alvim, o vídeo foi excluído das redes sociais.

LEIA MAIS: Referência a discurso nazista faz Bolsonaro demitir secretário da Cultura

Embaixada de Israel emite nota em apoio à demissão de Roberto Alvim

A Embaixada de Israel no Brasil divulgou nota nesta sexta-feira na qual diz apoiar a decisão do governo brasileiro de demitir Roberto Alvim do cargo de secretário especial da Cultura.

“A comunidade judaica e o Estado de Israel estão unidos no combate à todas as formas de antissemitismo. Por esta razão, a Embaixada de Israel apoia a decisão do governo brasileiro de exonerar o Secretário Especial de Cultura Roberto Alvim. O nazismo e qualquer uma de suas ideologias, personagens e ações não devem ser utilizados como exemplo em uma sociedade democrática sob nenhuma circunstância”, diz a nota emitida pela representação israelense.

Com informações de Estadão Conteúdo e Agência Brasil.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro anuncia salário mínimo de R$ 1.045 a partir de fevereiro