AGRICULTURA 17/11/2020 13h31 Atualizado às 14h28

Chuva ameniza a estiagem, mas ainda é insuficiente

Baixo volume de água prejudica as pastagens, que param de crescer e perdem qualidade

Muito aguardada para ajudar nas culturas agrícolas de verão, a chuva apareceu em Santa Cruz do Sul na segunda-feira, 16. De acordo com o professor de Agrometeorologia da Unisc, Marcelino Hoppe, o índice pluviométrico foi de 28,6 milímetros. Foi praticamente o volume total da primeira quinzena deste mês, que fechou com 29,2 milímetros.

Segundo Hoppe, a evaporação no período ficou em 70 milímetros. A média para o mês é de 100 a 120 milímetros. Ou seja, serão necessários mais 70 milímetros de chuva na segunda quinzena para ficar dentro do esperado.

Conforme o engenheiro agrônomo Vilson Pitton, extensionista da Emater/RS-Ascar, esse baixo volume prejudica as pastagens, que param de crescer e perdem qualidade. É o caso do milheto, utilizado na pecuária leiteira. A chuva de ontem também não foi suficiente para repor totalmente o que é necessário aos açudes que servem para consumo dos animais e irrigação, principalmente de hortifrútis. O plantio de soja e milho foi interrompido em alguns lugares e agora deve ser retomado, com um aumento da umidade do solo. “Seriam necessários pelo menos mais 30 milímetros. Foi pouca chuva para infiltrar no solo”, ressalta.

LEIA TAMBÉM: Período sem chuva significativa começa a afetar a produção

Agricultor e colunista da Gazeta do Sul, Giovane Weber informou que na sua propriedade, em Cerro Alegre Alto, a chuva foi de apenas 15 milímetros. “É pouca coisa, mas já deu uma revigorada no tabaco. Um viço nas folhas”, disse. Segundo ele, produtores relataram queda de granizo na região alta do Vale do Rio Pardo.

De acordo com Pitton, alguns produtores já iniciaram a colheita do tabaco. A Afubra deve receber, a partir desta terça-feira, 17, notificações sobre prejuízos causados pelo granizo.

LEIA TAMBÉM: Chuva já começa a fazer falta na região e expectativa de seca preocupa produtores