Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

CONTEÚDO PATROCINADO

Dor nas costas: um problema que tem solução

Será quase inevitável: em algum momento, a dor nas costas vai se manifestar. Estima-se que entre 60% e 80% da população enfrentará esse tipo de incômodo. Ainda que tenham surgido avanços em termos de diagnóstico e tratamento, o problema seguirá recorrente.

É o que aponta o ortopedista e traumatologista com especialização em cirurgia da coluna, realizada no Hospital São Vicente de Paulo, de Passo Fundo, Leonardo Domingues Stumm. Entre os motivos para isso, segundo ele, estão o crescimento na proporção da população idosa, o sedentarismo ou a quantidade de horas em má postura, especialmente em frente às telas.

“A dor nas costas tem origem chamada multifatorial, ou seja, inúmeras causas. Dentre as principais, podemos citar o envelhecimento (que causa degeneração da coluna), erros e vícios posturais, sobrepeso e obesidade, atividade física realizada em excesso ou de maneira inadequada, tipo de trabalho e outras atividades que o paciente executa no seu dia a dia e até mesmo causas psicossomáticas (depressão, ansiedade e outros)”, afirma.

Porém, o médico ressalta que, segundo os maiores estudos na área, o principal fator ainda é genético. Ou seja, se o paciente possui o gene que “enfraquece” o disco intervertebral em seu DNA, seu risco de possuir lesões na coluna é muito maior do que a população em geral.

“Hoje em dia, o fato de as pessoas permanecerem por tempo prolongado em posição sentada, usando computadores para trabalho, redes sociais e outras atividades, mantém a coluna vertebral por vezes em uma posição de hipoflexão (retificação) lombar e, comumente, hipercifotização da coluna cervical (a ‘corcunda’), o que a médio prazo acarretará em dores e contraturas na coluna”, ressalta.

Além disso, o trabalho em casa e por longos períodos sentado faz com que a musculatura não seja estimulada e trabalhada. Isso causa enfraquecimento muscular e, consequentemente, dores no corpo, inclusive na coluna vertebral.

Prevenção é o melhor caminho

Somada a todas essas situações, a pandemia do novo coronavírus contribuiu para agravar a situação, na análise do médico. Na sua rotina de consultório, a quantidade de pacientes queixando-se de dor nas costas, principalmente em razão do home office, cresceu bastante.

A prevenção é o melhor caminho. Conforme Stumm, é fundamental manter hábitos de vida saudável, cuidar da dieta e evitar o sobrepeso, realizando atividade física com frequência e moderação e exercícios e alongamentos voltados à coluna vertebral. “No seu dia a dia, é necessário cuidar da postura (e de seus familiares), evitando sentar-se ou deitar-se de maneira incorreta ou por tempo prolongado. No trabalho, caso exista algum risco de lesão laboral por esforço, deve-se atentar aos cuidados específicos e uso de equipamentos de segurança, se existirem”, orienta.

Além disso, a questão emocional também deve ser levada em conta. “Às vezes, ao tratarmos o estresse do dia a dia com uma boa música, uma boa noite de sono, meditação, entre outros, já aliviamos as dores que sentimos na coluna vertebral”, afirma.

Para tratar

  1. O principal tratamento é o chamado conservador, por meio da reabilitação musculoesquelética. Conforme o médico, há muitas opções disponíveis (fisioterapia, academia, pilates, yoga, hidroterapia, quiropraxia, massagens). “Sempre tento incentivar os pacientes a experimentarem diferentes modalidades até encontrarem aquela que mais gostaram/se adaptaram. Esses tratamentos irão melhorar aproximadamente 90% dos casos de dores nas costas”, diz.
    Também podem ser associados medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios, relaxantes musculares, principalmente no momento da “crise” de dor, para alívio dos sintomas. “Contudo, gosto de ressaltar que esta não deve ser a base do tratamento do paciente, já que o uso contínuo de medicação pode acarretar severos danos ao organismo. Se o uso de anti-inflamatórios e analgésicos está se mantendo por tempo prolongado sem melhora das dores, é necessário uma investigação mais detalhada para verificar a causa do problema. Em último caso, após esgotadas as tentativas de tratamento conservador, existem várias opções de procedimentos e tratamentos cirúrgicos”, ressalta.
  2. Nos últimos tempos, surgiram recursos que podem auxiliar. Especialmente no campo de cirurgia da coluna há inovações a todo momento. Hoje, cada vez mais a tendência é voltar-se para técnicas minimamente invasivas. Elas consistem em procedimentos e cirurgias na coluna vertebral que envolvem mínima incisão (corte) e lesão tecidual, e que conseguem fazer o tratamento necessário com excelentes resultados clínicos.
    “Além disso, diminuem muito os riscos de complicações e possibilitam uma reabilitação e retorno às atividades de trabalho e do dia a dia mais rapidamente. A maioria das patologias da coluna vertebral, hoje em dia, pode ser tratada dessa maneira, desde abaulamentos discais, hérnias de disco até mesmo cirurgias de artrodese da coluna – colocando-se os implantes por técnica percutânea”, observa Leonardo Stumm.

Atenção

Fatores de risco:
Sedentarismo
Má postura
Obesidade
Esforço físico extremo

Atividades físicas
A Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia reforça que a prática de atividade física com orientação profissional pode ajudar a reduzir o incômodo das dores nas costas. Os exercícios contribuem para o fortalecimento muscular e ajudam a diminuir o risco de lesões. Musculação, caminhada, hidroginástica, natação e alongar-se com frequência também ajudam muito.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.