Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Publicidade

Conversa Sentada

Era assim meu inverno

Essas noites frias de garoa e de bastante vento, que riscam a boca do inverno, me atrasavam o sono quando eu era piá. O barulho de alguma folha de zinco que levantasse um pouco me assustava. O poncho de carnal vermelho do meu pai me tapava junto com mais uma ou duas cobertas. Qualquer susto, era só se esconder embaixo dele que eu estaria protegido.

Às vezes, eu ouvia barulhos mais fortes de coisas caindo no zinco, como se fosse uma chuva grossa. Eram as bolinhas do cinamomo, que garantiam que o teto estava ali e inteiro. Eventualmente, eu mergulhava num sono sem escalas até o começo da manhã. Minha mãe já tinha feito fogo no fogão a lenha, gesto que, por si só, já esquentava o coração da casa. Seja ensopado ou carreteiro, a comida que ela faz no fogão a lenha sempre fica uma delícia incomparável!

Do lado de fora das janelas, tinha um mundo diferente, pois molhado e embarrado, mas também seguro e muito divertido. Sentir o calor de dentro de casa, enxergar os cavalos e a lida acontecendo na mangueira me deixava fortalecido e animado para sair porta a fora.

Publicidade

As marcas paralelas de pneus logo depois da porteira contavam que minha avó tinha saído para a cidade tarde da noite ou cedo da madrugada. O charme dela era tamanho que até nos seus rastros minha avó deixava alegria.

De volta para almoçar, eu tinha que limpar as botas na grama ou no pano que tinha na soleira da porta. Entrar em casa embarrando o piso deixava minha mãe furiosa, mas tive que fazer isso algumas vezes por excesso de fome.

Criei o hábito de ler bastante no inverno muito tempo depois, por isso minhas tardes eram espelhadas nas manhãs. Acompanhar o manejo do gado era minha forma de aprender, ajudar e brincar, tudo ao mesmo tempo.

Publicidade

Antes do tombo da tarde, eu pegava um caniço e ia para a beira do açude pescar. Assistindo ao sol ir embora para a Argentina, eu sentia a suprema majestade da natureza. Até hoje e para sempre, esse será meu grande momento de paz.

Meus pensamentos se emparelhavam e se expandiam igual às ondinhas que arrepiavam a água toda vez que a boia piscava com os peixes beliscando a isca. “A hora de puxar não é quando correr a linha, mas quando tua cabeça mandar.” Assim ensinaram minha mãe e minha avó, para a pesca e para a vida.
O que eu trouxesse no samburá era o que menos me importava, mesmo porque meu organismo nunca me permitiu comer nada que viveu na água. Não deixava de ser minha contribuição para as jantas do inverno. Os outros na estância ficavam felizes com os lambaris e jundiás que deixaram de nadar no açude para boiar na frigideira.

LEIA MAIS TEXTOS DE RUDOLF GENRO GESSINGER

Publicidade

Chegou a newsletter do Gaz! 🤩 Tudo que vocêprecisa saber direto no seu e-mail. Conteúdo exclusivo e confiável sobre Santa Cruz e região. É gratuito. Inscreva-se agora no link » cutt.ly/newsletter-do-Gaz 💙

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.