Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Ideias e bate-papo

Espelho e travesseiro

Todo mundo conhece alguém autossuficiente. Aquelas pessoas que “se acham” superiores e não estão nem aí para o resto do mundo, vivendo numa espécie de bolha. É gente que adora parecer indiferente às coisas cotidianas que afetam a nós, mortais comuns, como o sorriso de uma criança, a doçura de um cachorro ou a piedade despertada diante de um morador de rua.

Nesta época de pandemia, nota-se que muita gente mudou de comportamento. Quase sempre isso se deve a experiências dolorosas consigo mesmo ou que envolveram familiares e amigos próximos. Costumo fazer uma analogia em relação às tragédias que a vida nos reserva com a figura de um espelho, um objeto trivial que todos possuem em casa, no carro, na bolsa ou mesmo usando o aparelho celular.

A dor se assemelha à imagem refletida de nós mesmos, sem retoques ou truques do tipo fotoshop. É praticamente impossível passar diante de um espelho sem reparar na própria imagem. Mesmo que de soslaio, “com o rabo do olho”, todos caem na tentação de conferir o visual. É um irresistível vício de todos nós.

Quando vou ao shopping, costumo observar o comportamento dos frequentadores. Além de ser um aficionado por gente, faço desse hábito um laboratório para tecer reflexões que trago aqui, através de minhas mal traçadas linhas, dando pitacos sobre a vida alheia. Tipo uma mesa de bar virtual.

As vitrines das inúmeras e coloridas lojas – principalmente nesta época do ano – servem à visualização da própria imagem. Revisitam o consagrado mito de Narciso, personagem da mitologia grega. É um forte símbolo de vaidade, muito citado na psicologia, filosofia, letras de música, artes plásticas e literatura. Além de ter uma beleza estonteante que despertava a atenção de homens e mulheres, Narciso era arrogante e orgulhoso.

Ao invés de se apaixonar por outras pessoas que o admiravam, ele ficou apaixonado por sua própria imagem ao vê-la refletida num lago. A morte de Narciso é controversa e permite várias versões. Alguns contam que ele morreu de desgosto por não conseguir possuir a própria imagem que admirava nas águas. Outra explicação diz que ele afogou-se ao tentar tocar a própria imagem no lago que a refletia.

Assim como é impossível mentir ao travesseiro no final do dia, diante do espelho vislumbramos a nossa imagem como ela é: verdadeira, sem maquilagem, truques, mentiras, desculpas e subterfúgios para fugir à verdade.

Espelho e travesseiro, objetos simples do nosso cotidiano, servem para mostrar nossas fraquezas que o dia a dia por vezes omite. Noutras, “esquecemos” porque nos convêm. Gostando ou não do que o espelho mostra, lá estamos nós, com defeitos, virtudes, temores, planos que, em resumo, são balanços diários que fazemos sem nos dar conta.

LEIA MAIS COLUNAS DE GILBERTO JASPER

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.