Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

SANTA CRUZ

Golpista se passa por advogado e some com joias; prejuízo é de R$ 5 mil

Câmeras flagraram engravatado que lesou loja de celulares em outra cidade: aparência bate com a do homem que agiu em Santa Cruz

Por meio de uma videochamada feita de dentro da sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Santa Cruz do Sul, um homem de terno e gravata negocia, com um conhecido joalheiro da cidade, a compra de um anel e uma gargantilha para sua filha. O comerciante envia algumas fotos das joias e questiona o comprador sobre como seria a forma de pagamento e se gostaria de colocar CPF na nota.

O homem de terno responde que vai pagar no cartão de crédito, mas não irá até a joalheria, pois estaria “trabalhando muito, realizando videoconferências”. Para facilitar, o vendedor então sugere levar até ele os produtos, com a condição de que fosse em algum local mais central, a fim de evitar possíveis ações criminosas – até porque desconhece o novo “cliente”.

LEIA TAMBÉM: Polícia investiga sete casos de golpe do brique em Santa Cruz

O suposto advogado sugere então um endereço bem conhecido: Rua Ernesto Alves, 626. Trata-se da sede da OAB de Santa Cruz do Sul. Nesse momento, todas as desconfianças do comerciante foram dissipadas, afinal, o encontro para a entrega seria em um local totalmente insuspeito. O que o joalheiro não sabia era que o terreno para o crime havia sido muito bem planejado pelo falso advogado.

O homem que agiu na cidade teria 53 anos e é conhecido nos meios policiais por atuar no Paraná

O caso aconteceu na tarde chuvosa da última sexta-feira, 17, em Santa Cruz do Sul. Às 16h30, o vendedor entrou na sede da OAB. Após verificar a presença de uma secretária, visualizou o estelionatário, que se apresentou como César e indicou uma sala reservada, onde poderiam fazer a negociação sem serem interrompidos.

Já no segundo piso do prédio da OAB, seguro de que não sofreria um ato criminoso, o comerciante apresentou duas pequenas caixas de joias ao suposto advogado, contendo dois anéis e uma gargantilha com pingente, avaliados em R$ 5 mil. O estelionatário analisou os produtos. Disse que precisava mostrar à esposa e saiu da sala, com o consentimento do vendedor, prometendo retornar logo.

Passado um bom tempo, o joalheiro começou a desconfiar e resolveu descer até a recepção da OAB. Procurou o tal César, mas não o encontrou. Perguntou à secretária, que disse ter visto aquele homem pela primeira vez, e que ele havia dito a ela que pegaria uma coisa no carro. “Ali eu percebi que havia caído em um golpe e não tinha praticamente nada, além de saber a fisionomia da pessoa – e ainda com máscara. É um sentimento de impotência, enganação. Apenas, agradeço a Deus por não ter sido ferido”, afirmou a vítima, em depoimento ao Setor de Inteligência do 23º Batalhão de Polícia Militar (23º BPM).

LEIA TAMBÉM: Morador de Viamão cai em golpe e é assaltado em Santa Cruz

De acordo com o relato do joalheiro aos policiais, ele perguntou por gravações de câmeras, mas descobriu que nada fica gravado. Questionou ainda sobre como os advogados se identificam ao entrar, e a secretária teria lhe dito que não precisariam apresentar documento para ocupar os espaços de salas da sede da OAB no município.

O fato de não haver câmeras no local é confirmado pela presidente da OAB em Santa Cruz, Rosemarí Hofmeister. Em entrevista à Gazeta do Sul na noite de quarta-feira, 22, ela disse que o protocolo na sede é apresentar a carteira da Ordem para entrar nas salas. Contudo, diante da conversa do estelionatário, a funcionária acabou não pedindo a comprovação.

“As salas são costumeiramente utilizadas por advogados conhecidos da cidade. A funcionária disse que ele chegou conversando como advogado, falando sobre processos e com ampla desenvoltura. Ela acabou esquecendo de solicitar os documentos. Ninguém imaginaria o desenrolar dessa situação”, afirmou a presidente da OAB, que pretende colaborar com a polícia para resolver o caso.

LEIA TAMBÉM: Polícia Civil alerta para o golpe do falso trabalho em Venâncio Aires

Mesma estratégia foi usada em Gravataí

Acionada pela vítima, a Brigada Militar tomou ciência do fato. Já existe a suspeita de que uma dupla possa ter agido no dia do crime. Chamou a atenção dos PMs que a mesma estratégia utilizada pelo criminoso em Santa Cruz foi usada em outro caso semelhante, ocorrido um dia antes, na última quinta-feira, em Gravataí. Na oportunidade, um indivíduo, dizendo-se advogado, entrou em uma loja de celulares da cidade na Região Metropolitana pedindo cinco aparelhos. Havia dois de seu agrado.

O estelionatário pediu que, para efetivar a compra, a vendedora fosse até a sede da OAB daquele município com uma máquina de cartão de crédito. Já no local, a mulher foi com o falso advogado para uma sala reservada, usada apenas por profissionais vinculados à Ordem. Ao avisar que mostraria o aparelho para outro colega no local, ele deixou a sala e saiu da sede, levando os dois eletrônicos da marca Xiaomi. Por causa da demora, a comerciante perguntou à secretária sobre o advogado e descobriu ter sido vítima de um golpe.

LEIA TAMBÉM: Brigada Militar alerta para golpe envolvendo troca de fotos íntimas

Já durante a tarde dessa quinta-feira, a 1ª Delegacia de Polícia (1ª DP) de Gravataí revelou que o homem que agiu na cidade teria 53 anos e é conhecido nos meios policiais por atuar no Paraná, onde já foi preso oito vezes e responde a 13 inquéritos por estelionato. Pela aparência descrita pelo joalheiro santa-cruzense – de um homem que mancava, com cerca de 1,85 metro e aproximadamente 130 quilos –, a principal suspeita dos policiais que atuam no Setor de Inteligência é de que tenha sido a mesma pessoa que aplicou os golpes em Gravataí e em Santa Cruz do Sul.

Segundo o comandante da 1ª e 2ª companhias e chefe do Setor de Inteligência do 23º BPM, capitão Rafael Carvalho Menezes, estão sendo apurados possíveis suspeitos, em busca de evidências a serem repassadas à Polícia Civil, que passou a investigar o caso.

LEIA TAMBÉM: Golpe do falso sequestro assusta moradores em Sinimbu

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.