Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Futurismo & INOVAÇÃO

Mudanças radicais

Quando o final do ano se aproxima, nosso maior foco está nas entregas e no que precisamos fazer para fechar bem o ciclo vigente e, de forma lenta e gradual, começamos a pensar no ano seguinte. Nas empresas, esse é um período de planejamento estratégico e, em momento de tanta incerteza, ainda vejo estratégias frágeis, obsoletas, cheias de lacunas. Aliás, o que muitos chamam de estratégia não passa de um plano tático de curtíssimo prazo. São empresas que não que se antecipam e certamente terão pouco destaque no mercado futuro.

Lanço meu estudo de tendências em dezembro, mas 2022 já está fortemente na pauta da minha agenda. A cultura voltada para sustentabilidade, impacto social, governança, diversidade, inclusão e ética devem ficar ainda mais intensas no ano que vem, o que gera um impacto direto nas relações sociais e na forma de consumo. O compromisso de todos com o bem comum passa a ser inegociável.

As projeções econômicas mostram que as próximas décadas serão de crescimento lento, comparadas às décadas anteriores. Por aqui, a tendência é de que o cenário piore. Recessão, mais desemprego, força de trabalho despreparada e bens de consumo deixando de ser a riqueza máxima de um país. O investimento agora exige compromisso e propósito e deve ter como foco a força de trabalho e o capital social, definitivos para o desenvolvimento daqui para frente.

Negócios que não inovam, que não migraram para modelos digitais, podem ver seu final mais próximo. A decadência de quem só funciona de forma física já é notória. Empresas híbridas ganham espaço e as experiências físicas precisam ser integradas a momentos virtuais.

Grandes empresas chegam mais perto da ameaça de extinção e terão que pivotar, mudar de direção radicalmente para novos formatos e mercados, dispensando ainda mais trabalhadores e redefinindo o uso de seus espaços.

Cidades precisam pensar cada vez mais em sustentabilidade, mobilidade, o uso da água, da energia, a reciclagem do lixo e o aproveitamento de espaços urbanos de maneira mais inteligente. A natureza nos cobra com alta intensidade essa mudança.

As carreiras profissionais no formato tradicional já implodiram, assim como os modelos de educação de jovens e adultos. Já somos micro e freeworkers, pequenos empresários e profissionais livres se autogerenciando e desejando cada vez menos o mundo corporativo, repleto de esquizofrenias e doenças emocionais que nos roubam bons anos de vida sem um propósito relevante.

Assistiremos ao fim da exploração de combustíveis fósseis, de indústrias que não cabem mais no novo mundo e a ressignificação de tudo o que conhecemos. Boas vindas ao século 21, agora a transformação é para valer. Não temos mais tempo a perder, todos os alertas já foram emitidos e só não terá lugar no futuro quem não se mexer radicalmente no presente. Comece desconstruindo sua forma de pensar, porque o avesso agora é o lado certo da vida.

LEIA MAIS COLUNAS DE JAQUELINE WEIGEL

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.