Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Coronavírus

Mundo ultrapassa 4 milhões de mortos por Covid-19 sob ameaça de novas variantes

Foto: Alencar da Rosa

O mundo superou a barreira das quatro milhões de mortes por Covid-19 nesta quinta-feira, 8, um número superior a população de qualquer uma das capitais brasileiras, a exceção de São Paulo e Rio de Janeiro. De acordo com dados da universidade americana Johns Hopkins, 4 milhões e 4 mil pessoas morreram pela doença, e mais de 185 milhões de casos foram confirmados pelo mundo – contagem que pode ser inferior à quantidade real de infectados, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A pandemia demorou nove meses para ceifar um milhão de vidas, e o ritmo acelerou desde então. O segundo milhão foi perdido em três meses e meio, o terceiro em três meses e o quarto em cerca de dois meses e meio. “Os números podem não contar a história completa, mas ainda assim são realmente surpreendentes em todo o mundo”, disse Jennifer B. Nuzzo, epidemiologista da Escola de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins.

LEIA MAIS: Covid-19 avança sobre pessoas mais jovens em Santa Cruz

Nuzzo afirma que o número de mortes relatadas em todo o mundo sugere que “os países de baixa renda foram muito mais atingidos do que seus números oficiais sugerem.” No ranking de casos confirmados desde o começo da pandemia, Estados Unidos (33.771.942), Índia (30.709.557) e Brasil (18.909 037) lideram. Quanto ao número de mortos, os EUA lideram (606 220), seguidos pelo Brasil (528.540) e pela Índia (405.028).

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou, na quarta-feira, 7, que quatro milhões de mortos representam um marco trágico e disse que o número de mortos continua aumentando em grande parte por causa das variantes perigosas do vírus e da injustiça distribuição de vacinas. “Combinado por variantes em movimento rápido e desigualdade chocante na vacinação, muitos países em todas as regiões do mundo estão vendo picos acentuados de casos e hospitalizações”, disse, em uma coletiva.

LEIA TAMBÉM: Decisão da Justiça do Trabalho proíbe uso de ‘túneis de sanitização’

Ameaça da variante Delta

O avanço da variante Delta – identificada inicialmente na Índia – converteu-se na maior preocupação das autoridades sanitárias no momento. Se o número de mortos vem decrescendo a cada semana, o número de novas infecções vem aumentando, após quase dois meses de declínio, em razão da elevação das taxas em países como Reino Unido, Indonésia e Rússia, duramente atingidos pela nova cepa.

Na Indonésia, com o sistema de saúde sobrecarregado, muitos cidadãos recorrem à ivermectina, um tratamento antiparasitário anunciado por algumas personalidades como um remédio para a Covid, apesar das recomendações oficiais contra esse produto. “Não temos mais (ivermectina) porque muitos clientes vieram comprá-la”, disse à France-Presse Yoyon, chefe de uma associação profissional de farmacêuticos em Jacarta.

LEIA TAMBÉM
Variante Delta já foi identificada em 98 países, diz OMS
Agência europeia desaconselha uso de ivermectina contra Covid-19

No hospital Mariinskaia, na cidade russa de São Petersburgo, a “zona vermelha” para pacientes com Covid-19 está com quase todos os seus 760 leitos ocupados. Em apenas meia hora na UTI, os corpos de dois pacientes foram removidos em bolsas mortuárias pretas. Mas, “felizmente, a maioria dos pacientes se salva”, disse o chefe do serviço, Pavel Ermakov.

Às vésperas de sediar os Jogos Olímpicos, Tóquio decidiu declarar estado de emergência, anunciou o primeiro-ministro Yoshihide Suga, a duas semanas da cerimônia de abertura. A medida será estendida até 22 de agosto e foi justificada pelas autoridades, devido ao aumento contínuo das infecções por coronavírus na capital japonesa, especificamente a variante Delta.

LEIA TAMBÉM: Anvisa autoriza início de aplicação da Butanvac em voluntários

Vacinas fazem a diferença

Várias vacinas se mostraram eficazes contra o coronavírus, incluindo a variante Delta, e as taxas de mortalidade caíram drasticamente em muitas partes do mundo onde um grande número de pessoas foram vacinadas, como os Estados Unidos e grande parte da Europa.

Mas o vírus ainda está disseminado em regiões com taxas mais baixas de vacinação, como partes da Ásia, África e América do Sul. Alguns lugares com taxas de vacinação relativamente altas, como a Inglaterra, também estão vendo picos de casos, embora menos desses casos tenham causado hospitalizações e mortes.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.