Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

FORA DE PAUTA

Não leio resenhas

Me pego frequentemente pensando sobre a expressão “não julgue um livro pela capa”. Ela faz bastante sentido como metáfora, mas não funciona para mim em uma interpretação literal.

Se vou comprar um livro, é quase sempre a capa que vai me chamar a atenção. O conjunto dos itens que compõem a capa: título, nome do autor, sinopse e, claro, o desenho.

Eu, em geral, compro livros que não conheço, muitas vezes de autores que não conheço. Não gosto das listas de best sellers, não gosto quando o atendente diz “tem saído bastante”. Muitas vezes compro o livro sem ler o resumo na contracapa, sem ler as abas.

Compro, mesmo, pela capa. E por uma espécie de feeling. Acredite ou não, quase sempre acerto. Ou talvez eu só goste de uma gama bem ampla de livros. Mas escolher não é julgar. E aí cabe a metáfora: o mesmo vale para quase tudo na vida, de comida a pessoas. O primeiro contato é com a “capa”, com a superfície. O problema não é comprar pela capa, é julgar pela capa.

Aliás, acho que a gente julga demais. Talvez não haja necessidade de tanto julgamento.

Mas, voltando aos livros, eu também não gosto de julgá-los pela opinião dos outros. Prefiro a surpresa, o inesperado, e até o risco do erro, a seguir caminhos já traçados. Por isso, não leio resenhas. Não me entenda mal! Eu entendo a função das resenhas. Todo o dia saem dezenas de novos livros e não é possível ler todos, então a curadoria é necessária, as recomendações são importantíssimas, para otimizar o tempo dedicado à leitura – muitas vezes, escasso.

E eu sempre aceito com alegria recomendações de amigos. Alguém que me conhece pelo menos um pouco e diz “li e lembrei de ti”, “acho que tu ia curtir”. Alguns amigos adoram coisas que eu não suporto e eu me emociono com coisas que sequer interessariam a eles, mas, mesmo assim, gostar de livros e indicá-los a alguém é um tipo de demonstração de afeto.

Mas isso é diferente das resenhas. Porque muitas delas dizem demais sobre o livro e já direcionam a leitura. E um bom livro nunca é assim tão simples, nunca se define assim tão facilmente. Eu li muitos livros na vida e, ao mesmo tempo, muitos menos do que gostaria de ter lido e se tu me perguntares o que eu acho de um livro que eu li, talvez eu responda outra coisa, mas a resposta que eu mais gostaria de dar é: “Eu acho que tu devias ler.”

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.