Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

MEMÓRIA

“O bom datilógrafo digitava com rapidez, usava os dez dedos e não olhava para as teclas”

Professores eram rigorosos nas aulas e havia prova para receber o certificado

Diversos leitores manifestaram-se sobre as aulas de datilografia, tema da coluna da semana passada. O primeiro curso, com professores vindos de Porto Alegre, foi em 1932 e até o intendente José Kolzer participou. Diante da necessidade, os colégios Mauá, São Luís e Sagrado Coração de Jesus passaram a oferecê-las e, mais tarde, algumas escolas públicas.
Sindicatos, Círculo Operário e entidades comunitárias também ofereciam aulas, e surgiram pequenas escolas particulares, nos moldes do que hoje ocorre com a informática. Era possível comprar o manual de datilografia e praticar em casa (quem tinha máquina).

O bom datilógrafo digitava com rapidez e cometia poucos (ou nenhum!) erros. Aliás, errar uma palavra virava um problema. Dependendo do trabalho, fazia-se necessário reescrever o texto. Para facilitar um pouco, surgiram as borrachas e os corretivos líquidos.

Os professores eram rigorosos na formação dos datilógrafos. Era preciso digitar com os dez dedos, sem olhar para o teclado. Para atingir esse nível, colocavam um papelão para encobrir as teclas. Quem batia só com dois ou três dedos recebia o apelido de “catador de milho”.

Nas redações dos jornais, rádios e tevês a datilografia era imprescindível. Na Gazeta do Sul, no fechamento das edições no final de tarde, o “tec-tec-tec…” provocado pelas batidas dos tipos no papel tornava-se ensurdecedor.

Trabalhar com a máquina de escrever exigia providências que os usuários de computador jamais vão imaginar. A fita precisava ser rebobinada quando chegava ao fim ou trocada quando estava gasta. Os tipos exigiam limpeza com escovinha ou até com uma ponta de alfinete (as letras a, e, o, m e n sujavam muito).

A partir dos anos 90, a informática tomou conta e as máquinas viraram sucatas. Algumas estão preservadas nos museus ou no fundo dos armários.

Redação da Gazeta (anos 80): José Augusto Borowsky (autor da coluna), Jansle Appel, Elstor Werle, Álvaro Borscheidt (de pé), Romeu Neumann, Max Severo e Gilberto Jasper

LEIA MAIS COLUNAS DE ZÉ BOROWSKY

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.