Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

ROMEU NEUMANN

O colapso da esperança

No momento em que escrevo este texto não sei se ainda temos um presidente, se o Congresso Nacional abrirá portas para sessões nesta semana (e nas próximas), ou se os senhores das togas do Supremo Tribunal Federal estão convencidos de que os espelhos do Palácio estão à altura para refletir seus egos. E esconder suas rugas, suas vergonhas, as máscaras que encobrem suas identidades e suas intenções.

Também não sei se um deputado que virou manchete nacional e que fomos conhecer há pouco ainda vai caber dentro do manequim EGG – físico, escultural, político e egocêntrico. E se um tal ministro (da Suprema Corte) vai ter lâminas afiadas todos os dias para raspar uma calota branca, oca de critérios e de convicções, mas recheada de ideologia. E de rancor.

Nos bastidores – porque o palco à frente da plateia pode ser assustador – reverbera uma voz rouca, negacionista da história e da verdade, indomável aos marqueteiros e aos correligionários. Mas juram, os consorciados em nome da verdade, das pesquisas e do monopólio da informação, que ele será eleito.

Do lado de fora, por vezes encurralado por uma plateia que o idolatra até nos seus arroubos, que é vigiado e linchado por qualquer opinião que expresse e que se expõe ao limite do desnecessário, corre por avenidas, tensões, enfrentamentos, um personagem atípico. Idolatrado por uns, esfaqueado por outros. Amado e odiado. Uns o chamam de genocida. Outros o aclamam como mito

Você já leu ou ouviu algo parecido, não é verdade?

Mas talvez não tenha ouvido o que tem a dizer seu Alaor. Um taxista que nos conduziu muito bem pelas avenidas de São Paulo dias atrás. Aliás, sempre tenho curiosidade em ouvir a opinião dos taxistas e, por extensão, dos motoristas de aplicativos. De alguma forma, eles refletem a opinião daquela comunidade.

Pois seu Alaor não estava otimista, nem esperançoso. “Aqui em São Paulo está muito dividido. Sabe? Tem esta gente que acredita que os milagreiros ‘vão colocar o pobre no céu’” – expressão dele. “Mas também há os que duvidam de milagres”, diz ele.

Sei que é improvável. Impossível, talvez. Mas gostaria que seu Alaor me conduzisse pelas ruas de Santa Cruz. Sobre o que falaríamos?

Sobre as tipuanas que oferecem sombra no verão à principal rua do centro, mas que no outono e no inverno despejam folhas sobre os telhados, as calhas e as calçadas? Sobre o Quiosque da praça que – o que houve – está fechado? Ou sobre o governador – agora ex-governador – que jurou que não se candidataria a uma reeleição mas agora já não tem tanta certeza?

Ou falaríamos sobre as ruas congestionadas no início do dia, ao meio-dia, no final da tarde? Ou sobre o GPS da Marechal Floriano que manda dar voltas porque há meses – muitos meses – esta rua no coração da cidade está obstruída? Sei lá.

Acho que seu Alaor prefere dirigir em São Paulo.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE ROMEU NEUMANN

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.