Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Ricardo Düren

O hamster irritado

Entre os pedidos da cartinha que nossa caçula, Ágatha, escreveu ao Papai Noel com a chegada do último Natal, constava um hamster. O Bom Velhinho, contudo, fez de conta que não viu esse item. Talvez tenha considerado que o índice demográfico já anda elevado lá em casa, ou avaliou os custos operacionais exigidos para garantir o bem-estar do bichinho. E presumiu que, atendendo às demais solicitações da traquinas, ela se contentaria.

De fato, passado o Natal, em nenhum momento Ágatha queixou-se da aparente omissão do Papai Noel. Afinal, não é auspicioso reclamar do Bom Velhinho. Contudo, mais recentemente a caçula passou a insistir que deveríamos levá-la ao shopping, pois precisava colocar em circulação alguns trocados que vinha economizando. Tanto pediu que a levamos, devidamente equipada com sua máscara de estampa de unicórnios e o frasco de álcool gel na bolsa.

Uma vez no shopping, procurou daqui, procurou dali e, enfim, encontrou um hamster – no caso, um de pelúcia. Mais precisamente, um chaveiro de pelúcia em forma de hamster, com correntinha e argola para as chaves. Comprou-o, batizou-o de Marshmallow – por ser muito fofinho e cheiroso, segundo explicou – e o trouxe para casa.

Foi aí que começou nosso tormento.

***
Ocorre que a traquinas, em uma jogada astuta, passou a brincar com Marshmallow como se fosse um hamster de verdade. Arrumou-lhe acomodações forradas com papel picado, oferecia-lhe comida e água e – pior – conversava com o hamster-chaveiro, como se ele pudesse, de fato, interagir.

– Oi, Marshmallow! Vamos brincar?
– Nossa, é hora de limpar sua casinha!
– Como você está quieto hoje…

Não demorou até que aquelas cenas derretessem o coração de mãe da Patrícia.

– Não aguento mais ver isso – desabafou comigo.
– Não suporto mais vê-la fazendo de conta que um chaveiro é um bichinho de verdade. O golpe, enfim, dera certo. E lá fomos nós à petshop, em busca de um hamster de pelo, carne e osso.

O hamster – no caso, o de verdade – ganhou o nome de Gamy. Imaginei que a caçula usaria o mesmo nome do primeiro, mas, segundo me explicou, isso causaria transtornos.

– Daria confusão, na hora de chamar um ou o outro.

De início, Gamy mostrou-se um hamster educado e afetivo, um tipo que não causaria problemas. Mas, ao cabo de dois ou três dias, passou a dar sinais de irritação. Guinchava, corria sem parar na gaiola e tentava escalar as paredes, em um nítido plano de fuga.

Concluímos que faltava-lhe entretenimento e lá fui eu novamente à petshop, agora em busca de uma roda para instalar na gaiola. E dei razão ao Papai Noel: realmente, um hamster dá custo e trabalho.

***
Gamy adorou a roda. Por um tempo, contentou-se em correr dentro dela, fazendo-a girar a toda velocidade. Tanto que até cogitei transformá-la em um gerador de energia elétrica.

Mas Gamy logo percebeu que a roda tinha outra utilidade: afiar os dentes. Passou então a dedicar longas horas à atividade de raspar os dentões nos aros da roda, transformando-os em perigosas navalhas. E, agora, quase não se deixa apanhar. Quando algum de nós tenta pegá-lo – nhac – leva uma mordida na mão.

A única que escapa de suas perigosas investidas é justamente a Ágatha. Com ela, o tratamento é outro: Gamy fica dócil e carinhoso.

Talvez o bichinho pressinta que é graças à caçula que ele está lá em casa, cercado de mordomias. Ou apenas goste das longas conversas que tem com ela…

LEIA OUTRAS COLUNAS DE RICARDO DÜREN

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.