Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Ricardo Düren

‘Pai, coelhos botam ovos?’

Praticamente todos os pais e mães já devem ter sido confrontados com essa complexa pergunta, às vésperas da Páscoa:

– Coelhos botam ovos?

Sabe-se que não. Via de regra, aprendemos que o único mamífero que bota ovos é o ornitorrinco, uma criaturinha tão simpática quanto estranha, também dotada de bico e de patas que lembram pés de pato. E que vive na Austrália, país famoso por sua fauna exótica e única. Mas, pasmem: o ornitorrinco não é o único mamífero ovíparo. Ele tem um primo chamado equidnas, bicho muito parecido com nossos porcos-espinhos, mas que também bota ovos e vive, claro, na Austrália.

Os biólogos admitem que ainda há muito a se descobrir sobre a fauna e flora do planeta, mas têm certeza de uma coisa:

– Não. Definitivamente, coelhos não botam ovos.

Mas então, como explicar a nossos filhos essa estranha relação que se estabelece, a cada transcurso da Quaresma, entre ovos e coelhos? De onde o Coelho da Páscoa tirou essa ideia de presentear as crianças com ovos de chocolate?

Ciente do drama que tantos pais enfrentam diante dessas perguntas, e mantendo a nobre proposta pedagógica desta coluna, vou tentar explicar.

***
Ocorre que uma das felizes peculiaridades do homo sapiens é sua predileção por símbolos. Tanto que o filósofo Ernst Cassirer (1874-1945) usava a expressão em latim homo symbolicum para nos definir. A tudo o que existe atribuímos sentidos e representados por símbolos. E os símbolos estão por todos os lados – nos capôs dos carros, no escudo de nosso time, na bandeira de nosso Estado, nos corações transpassados por flechas, esculpidos nas árvores por jovens apaixonados…

Portanto, nada mais justo que a Páscoa, data repleta de sentidos – de ressurreição, de vida nova – tenha também sua coletânea de símbolos. O ovo, por motivos óbvios, simboliza uma nova vida que está por vir. Mesmo antes do cristianismo, já era empregado na tradição judaica durante a Pessach, que celebra a libertação dos hebreus da escravidão no Egito. Claro que os ovos de chocolate são uma invenção bem mais recente – prática e deliciosa.

Já o coelho surgiu como símbolo pascal no século 16, na Alemanha. Muito atentos às peculiaridades da natureza, os alemães perceberam – apesar de prezarem pela discrição em assuntos de foro íntimo – que os coelhos têm grande capacidade de procriação. E concluíram:

– Das Kaninchen serrr uma imporrrtante símbolo de vida nova!

***
De fato, esta pode ser uma simbologia complicada de se explicar às crianças, que nunca se dão por vencidas em seus questionamentos.

– Mas pai… como o ovo pode ser símbolo de vida nova, se o ocupante da casquinha foi parar na frigideira? 

Ah, essas crianças… 

***
Lá em casa, por exemplo, a frigideira não tem descanso durante a Quaresma. Afinal, é preciso reunir um grande número de casquinhas de ovos, a serem coloridas com tinta têmpera. Seguindo uma antiga tradição, algumas são preenchidas com cri-cri. Outras são empregadas na ornamentação da chamada árvore pascal, esta uma invenção mais recente, que mescla o sentido dos ovos com o das árvores – também símbolos de vida.

Uma vez que eu tenha encontrado um galho propício para a árvore pascal, as gurias se encarregam de decorá-lo com as casquinhas coloridas. A manutenção desse ornamento, contudo, exige cuidados. Pessoas estabanadas devem ficar distantes da árvore, pois qualquer esbarrão pode resultar em casquinhas quebradas. Certa vez a caçula, Ágatha, deparou-se com os destroços de um ovo colorido no chão e nem pestanejou antes de me acusar. 

– Pai, mais cuidado!

– Não fui eu – aleguei, e apontei o dedo para o nosso boxer. – Foi o Hércules!

Dias depois, o acidente se repetiu e a traquinas veio cobrar novas explicações.

– Vai acusar o Hércules de novo?

– Não… – retruquei. – Desta vez foi o Coelho da Páscoa…

– Ah é? E onde estão as pegadas que ele costuma deixar pelo chão, quando entra escondido aqui em casa? E os doces?

E fiquei sem resposta.

***
O inconveniente dos símbolos é que, muitas vezes, corremos o risco de esquecer o que representam. Que atire a primeira pedra quem nunca se empanturrou com ovos de chocolate sem lembrar-se de seu significado.

Por isso, convido o leitor a também refletir, nesta Páscoa, sobre a simbologia da data. Não, não é preciso ler a obra de Ernst Cassirer – aliás, nem sei se ele escreveu sobre a Páscoa. Basta ter em mente que esse é um tempo de vida renovada – quiçá, uma vida ainda mais altruísta, compreensiva e solidária para com quem, neste momento tão difícil, tanto precisa.

Enfim, fica o meu desejo, aos leitores desta coluna, de que esta seja uma Feliz Páscoa (mesmo com a justa necessidade de distanciamento social).

LEIA TODAS AS COLUNAS DE RICARDO DÜREN

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.