Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

RODOVIAS

Precisa ir a Porto Alegre? Veja qual é o melhor caminho

Foto: Alencar da Rosa

Gazeta do Sul experimentou os dois trajetos: pela BR-386 e pela ERS-405 (foto)

Quem sai de Santa Cruz do Sul em direção a Porto Alegre não encontra maiores transtornos no que diz respeito à infraestrutura viária. A Gazeta do Sul percorreu nessa quarta-feira, 25, tanto a rota tradicional via RSC-287, BR-386 e BR-448 como o trajeto alternativo via ERS-405, ERS-244 e ERS-401, e constatou que ambas estão com o pavimento em boas condições de conservação. Na hora de escolher qual a melhor opção, contudo, o motorista precisa atentar para alguns pontos para não ser pego de surpresa.

Pelo trajeto alternativo, que percorre Passo do Sobrado, Vale Verde, General Câmara, São Jerônimo e Charqueadas antes de chegar à Capital, não há praças de pedágio e o tráfego de veículos é menor. Contudo, as vantagens param por aí. Logo ao ingressar na ERS-405, após Pinheiral, é possível perceber que a pista tem rachaduras e alguns buracos que variam de tamanho. Além disso, o acostamento é reduzido ou nem pode ser utilizado devido à falta de roçada da vegetação no entorno da rodovia. Da mesma forma, a sinalização – quando existe – está em situação precária ou coberta pelo mato.

LEIA TAMBÉM: Famurs debate investimentos estaduais na duplicação de rodovias federais gaúchas

Na ERS-244, que começa após Vale Verde, esses problemas continuam e até se intensificam. Após o acesso ao balneário Monte Alegre, há um trecho onde as condições do asfalto pioram muito e alguns pontos são críticos para a trafegabilidade, o que exige atenção redobrada dos motoristas. Aqui, é importante destacar ainda outra questão: a ausência completa de infraestruturas de apoio. Se um pneu furar ou o veículo apresentar alguma pane mecânica, não há acostamento, borracharia ou mesmo posto de combustíveis para buscar auxílio. Para piorar, o sinal de celular é fraco ou inexistente na maioria do percurso.

Esses problemas só melhoram, em partes, após General Câmara, onde começa a ERS-401. Nela, o pavimento está em boas condições e a infraestrutura de apoio está disponível. Mas o trecho até o entroncamento com a BR-290 é repleto de quebra-molas – muitos deles “camuflados” pela falta de sinalização – e o tráfego aumenta muito, sobretudo de caminhões e carretas que se dirigem à Região Metropolitana.

A rota alternativa entre o Vale do Rio Pardo e Porto Alegre exige atenção dos condutores em alguns locais e situações mas, de maneira geral, os problemas não são tão grandes a ponto de impedir a viagem. Para quem optar por esse trajeto, a dica é viajar durante o dia. A luminosidade permite uma melhor visualização da pista, dos buracos e do entorno em relação à noite, que também torna mais difícil a tarefa de buscar ajuda em uma situação de emergência.

LEIA TAMBÉM: Brum solicita recuperação da RSC-153 e da RSC-471

Obras ao longo da RSC-287 exigem atenção redobrada dos motoristas

Trecho da estrada entre Tabaí e Venâncio Aires passou por reforma completa realizada pela concessionária

Principal rodovia que liga a região a Porto Alegre, a RSC-287 está passando por uma revitalização completa, conforme os usuários exigiam da concessionária Rota de Santa Maria. O trecho entre Tabaí e o trevo de acesso a Venâncio Aires já está quase todo reformado, com asfalto e sinalização horizontal novos. Além disso, a sinalização vertical foi reforçada e não há vegetação invadindo o acostamento. De Venâncio até Santa Cruz do Sul, porém, as obras ainda estão em andamento e exigem atenção dos motoristas.

Em alguns pontos o trânsito não sofre interrupção, mas torna-se mais lento. Em outros, porém, o tráfego é limitado a meia pista e formam-se longas filas, sobretudo nos horários de pico. Essas situações demandam atenção do motorista na hora de planejar a viagem, pois o tempo de espera é significativo em certos horários e pode comprometer atividades com hora marcada. No quilômetro 47 está sendo construída uma das três novas praças de pedágio, que deve entrar em operação no segundo semestre deste ano.

LEIA TAMBÉM: Prefeitos da região buscam soluções para os problemas da RSC-453

Este é outro ponto a ser considerado na hora de escolher o trajeto: o custo. Quando a nova praça estiver finalizada, o condutor que se desloca de Santa Cruz à Capital pela rota tradicional vai pagar R$ 3,70 em cada um dos pedágios da RSC-287 – em Venâncio Aires e Taquari – e mais R$ 5,20 na BR-386, em Montenegro. A soma é de R$ 12,60, que se transforma em R$ 25,20 no caso de uma viagem de ida e volta.

LEIA TAMBÉM: Rota de Santa Maria inicia instalação de radares de velocidade na RSC-287

Qual escolher

Considerando que a distância em ambos os trajetos é quase a mesma, é preciso levar em conta outros fatores para determinar qual é a melhor opção. A rota tradicional pela RSC-287 e BR-386 oferece melhores condições de pavimento e sinalização, assim como infraestrutura de apoio e suporte das equipes da concessionária em caso de emergência. As desvantagens, porém, são o custo mais alto em função do pedágio e as obras que interrompem ou deixam o trânsito mais lento.
A rota alternativa pelas ERS-405, 244 e 401 é mais rápida devido ao menor fluxo de veículos e também mais barata, visto que não há pedágios. As desvantagens são o pavimento com alguns buracos e desníveis e a ausência parcial ou total de sinalização, acostamento e sinal de celular. Nos horários de pico, o acesso à BR-290 a partir da ERS-401 também pode ser demorado e é mais um ponto a ser levado em conta.

VEJA: VÍDEO: ação de conscientização simula acidente na RSC-287

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e fácil de usar. Basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Ainda não é assinante Gazeta? Clique aqui e faça sua assinatura!

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.