Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Publicidade

contraponto

Renovação de expectativas

2024. Mais um ano eleitoral em nossas vidas. A exemplo dos anteriores, renovam-se as expectativas positivas de muitos cidadãos, todavia entremeadas pelo pessimismo e pela resignação de outros tantos brasileiros. E razões não faltam.

Negativamente, são rotineiros os desvios de conduta no exercício do poder. E a corrupção, por consequência. São pragas sociais, sem distinção de classe e nível social, de atuação econômica e funcional. Sistemática e infelizmente, nossa nação aparece na lista mundial dos países com maior índice de corrupção. E a categoria-líder nacional, disparada em primeiro lugar, são os políticos, alvos expostos e preferenciais do tiroteio popular.

Porém, esclareça-se que não se trata de um problema de exclusividade do setor público. Na mesma proporção ocorre também no setor privado. Aliás, relacionados aos índices de corrupção, há pesquisas e estudos que comprovam o aumento nos custos médios dos produtos e serviços. Em alguns casos, fator de perda de competitividade nas relações comerciais. 

Publicidade

Trata-se de uma patologia que exige um tratamento sistêmico, cujos pressupostos essenciais são, basicamente, a educação do povo, a transparência dos atos da gestão pública, a desconcentração das estruturas de poder e a quebra de monopólios públicos e privados. E, principalmente, tocantes aos indiciados, uma eficaz ação e julgamento judicial, com repercussões punitivas.

Entre uma e outra frustração, ainda assim a população renova suas expectativas. Em sua maioria, reconhece que sua incorporação social e econômica passa pela ação do Estado. E por isso, especialmente, faz sentido que aguarde bons exemplos e atitudes dos governantes.


João Carlos de Almeida (1943–2024)

Publicidade

O “Patrão Celestial” recrutou meu amigo e colega Almeida, exemplar professor, líder sindical (Cpers), advogado e tradicionalista, companheiro partidário e parceiro de longas tertúlias político-filosóficas que animavam nossas almas inquietas e renovavam nossos ideais humanitários.

Em sua homenagem e em respeito às sementes que plantou por onde andou e com quem andou, repito uma inspirada frase do humanista Erasmo de Roterdã (1466–1536):

“Uma necessidade, ainda que demore, não é menos necessária, ao contrário: só os ideais que não se consumaram ou não estejam comprometidos porque não se realizaram, seguem tendo efeito em cada nova geração como um elemento de impulso moral.”

Publicidade

LEIA MAIS TEXTOS DE ASTOR WARTCHOW

Chegou a newsletter do Gaz! 🤩 Tudo que vocêprecisa saber direto no seu e-mail. Conteúdo exclusivo e confiável sobre Santa Cruz e região. É gratuito. Inscreva-se agora no link » cutt.ly/newsletter-do-Gaz 💙

Publicidade

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.