Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

FUTURISMO E INOVAÇAO

RS a partir do South Summit

Inovação e futuro estão em alta e o famoso evento espanhol South Summit, desembarcou a primeira versão brasileira à beira do Guaíba, em Porto Alegre. O evento conectou milhares de pessoas em torno dos temas contemporâneos do mundo e iluminou nosso Estado para investidores globais, que buscam avidamente projetos decentes que transformam problemas em soluções inteligentes para o futuro. Demonstrações, tendências, temas vindouros e um debate aquecido sobre tudo o que precisamos fazer e como o mundo já está diferente. No mesmo espaço, a sociedade gaúcha e o mundo uniram forças em torno da radical mudança do mundo.

Inúmeras empresas apresentaram iniciativas de inovação e transformação. Muita coisa já está acontecendo, o que faz qualquer nova ideia parecer boba perto do que já está em andamento. É como se tudo já tivesse sido pensado por alguém. O debate ainda é fragmentado, sem uma clara visão sistêmica de longo prazo. Entender como as coisas se desdobram e para onde o movimento intenso de inovação está nos levando de fato. Esta ainda é uma pergunta de resposta vaga para a maioria dos inovadores.

No palco, ESG, Net Zero, investimentos, educação, tendências, ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), governança, ética e muitos outros assuntos correlatos. Nas mensagens mais relevantes, surge a de que o Brasil precisa retomar um papel no cenário global em direção ao futuro e se engajar nos compromissos assumidos pelo mundo. A tecnologia é um meio poderoso para mudar mas não a causa em si e, agora, a Web3 e o Metaverso prometem transformar nossa realidade rapidamente.

As novas gerações receberão nossa herança falida e gastarão toda sua energia buscando restaurar o planeta nos próximos anos. Enquanto isso, empresas estão sendo obrigadas a adotar novas formas de fazer negócio, porque o planeta precisa de socorro urgente e não temos mais tempo. Negócios tradicionais estão valendo menos e há um risco real de grandes corporações desaparecerem em pouco tempo. O clima traz risco para o patrimônio de grandes famílias investidoras e muitas empresas terão que vender seus ativos financeiros em breve, porque o movimento para o futuro está em imposição acelerada.

ESG veio para trocar o G da ganância pelo G verdadeiro, de governança responsável.

Dos desafios globais, a vida na água é a que menos tem iniciativa nas empresas e, segundo a Sea Shepard, até 2050 não haverá nenhum peixe no mar se não mudarmos nossos hábitos. Tudo é jorrado no oceano.

Ser sustentável é entender de forma macro e sistêmica o contexto no qual tudo está conectado. Mudar agora é pouco. Precisamos corrigir o que fizemos e fazer diferente, lembrando sempre que a ação de hoje define o amanhã de 2030. Há muita ação acontecendo, mas sem visão de longo prazo, não há presente que seja perene. Foi um marco muito importante para nosso Estado.

LEIA MAIS COLUNAS DE JAQUELINE WEIGEL

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e fácil de usar. Basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Ainda não é assinante Gazeta? Clique aqui e faça sua assinatura!

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.