Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Ideias e bate-papo

RS, Estado de vários países

Quando viajo sozinho de carro, conservo a mania de zapear pelo dial do rádio. É uma mania de muitos anos. Enfatizo o termo “sozinho” porque deve ser muito chato andar pela estrada e ouvir “tudo pela metade”, ou seja, apenas pequenos trechos de notícias, músicas e comerciais. Mas para mim, esse troca-troca de emissoras permite conhecer, através do som, as tendências de uma região, algumas que desconheço em detalhes.

Geralmente viajo aos sábados, nos chamados “destinos bate-volta”, ou seja, de ida e volta no mesmo dia. Já travei contato com emissoras bem-humoradas que usam sotaques e expressões únicos de determinados municípios. Dialetos do alemão e italiano são maioria quando vou de Porto Alegre a Arroio do Meio, no Vale do Taquari, numa itinerário de pouco mais de uma hora e meia de estrada.

No sábado ouvi um programa cujo destaque foram as famosas bandinhas que animam bailes e onde os cantores usam termos bizarros, entendidos apenas pela população local. Um dos destaques era o quadro em que um dos “âncoras” falava durante dois minutos em alemão, mas empregando um dialeto bizarro.

Ainda conheço um pouco da língua germânica, fruto das minhas raízes, e pude “matar a charada” da expressão do desafio que, em alemão, significava “saia de baixo”. Trata-se de uma peça de roupa feminina em desuso, mas bastante comum nos meus tempos de guri. Quem é sessentão como eu vai lembrar!

Em outra incursão pela BR-386 em um sábado ensolarado, captei uma emissora da região de Guaporé onde – é claro! – o italiano prepondera e para mim foi impossível de compreender. O jeitão do locutor era muito divertido, misturando músicas e bordões.

Esta riqueza de culturas que reúne diversas influências faz do RS um mosaico de heróis vindos de várias partes do mundo para construir a nossa civilização gaudéria. Nesse quesito, uma das festas mais interessantes é a Fenadi – a feira das etnias – realizada  no município de Ijuí.

Como assessor de imprensa do ex-governador Germano Rigotto (2003-2006), tive o privilégio de conhecer esse e outros eventos multiculturais. Gastronomia, danças, dialetos, objetos e curiosidades sobre cada cultura… Esse é o segredo do sucesso da festa de Ijuí que nunca mais visitei, mas pretendo rever.

Por isso, na impossibilidade de conhecer todas as festas, mantenho o hábito de zapear pelas emissoras de rádio, de modo semelhante ao que faço ao assistir tevê, mas com uma riqueza de opções bem menor.

Numa época em que a xenofobia cresce, é importante constatar que vivemos em um Estado rico em diversidade. Admirar e valorizar a contribuição de inúmeros povos mesclados às nossas raízes gaúchas e brasileiras é sinal de inteligência, crescimento e união para superar problemas.

LEIA MAIS COLUNAS DE GILBERTO JASPER

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.