Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Saúde

Santa Cruz trabalha para prevenir possíveis focos do aedes aegypti

A Vigilância Sanitária de Santa Cruz do Sul segue realizando trabalhos para prevenir o possível aparecimento do mosquito aedes aegypti. O inseto é o responsável pela transmissão de três doenças – a dengue, o zika vírus e a febre chikungunya. Ainda em novembro foi encontrado um foco do mosquito em uma das armadilhas instaladas no Centro do município, na esquina das ruas Ernesto Alves e Senador Pinheiro Machado.

No local e em um raio de 300 metros em volta foi feito o trabalho de erradicação ao aedes. Em entrevista à Rádio Gazeta na manhã desta segunda-feira, 30, o coordenador do departamento de ações de combate ao mosquito da Vigilância Sanitária, Leonardo Rodrigues, não há como eliminar o inseto e possíveis focos sem o auxílio da comunidade.

Ele explica que é preciso eliminar todos os vasilhames que possam acumular água e servirem de local para a procriação do mosquito. Em casos que a comunidade achar que podem ser larvas do inseto pode acionar a Vigilância pelo 3715 1546. 

Atualmente Santa Cruz trabalha com dez agentes na rua e 300 armadilhas para coleta. No Estado, o Piratini está cogitando pedir auxílio do Exército Brasileiro para combater o aedes aegypti em municípios com mais casos de dengue e prevenir a aparição do zika vírus e da febre chikungunya.

O zika vírus foi associado nos últimos dias pelo Ministério da Saúde aos inúmeros casos de microcefalia em bebês que nasceram em estados do Nordeste do Brasil.

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.