Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Estado

Santa-cruzense integra Colegiado de Diversidade Linguística

Portaria divulgada pela Secretaria de Estado da Cultura nomeou um santa-cruzense para integrar o Colegiado Setorial de Diversidade Linguística do Rio Grande do Sul. O escolhido, o professor Nasário Eliseu Bohnen, representará a região em nome da língua alemã, trazida com os imigrantes para o Vale do Rio Pardo.

Nasário assume a função para o mandato 2020-2022. Junto com o professor Harald Kuhn, da Universidade Kiel, na Alemanha, ele participa do projeto Alma-H, no qual Santa Cruz aparece como uma das 44 localidades de pesquisa. “Compreendemos que a língua alemã, o dialeto que nossos pais nos passaram com orgulho, é uma riqueza cultural. A língua alemã serviu de comunicação escolar de 1849 até 1935”, relata.

O professor conta que um dos objetivos de sua participação é respeitar o legado dos imigrantes alemães, além de olhar para as perspectivas de futuro, como intercâmbios com a sociedade alemã em diversas áreas. “Vamos defender toda a diversidade cultural do Estado, mas tratar de maneira responsável a língua alemã e seus dialetos.”

O que é
O Colegiado Setorial de Diversidade Linguística foi criado em 2018 e é composto por 15 membros titulares eleitos como representantes da sociedade e cinco membros indicados pelo governo, além de 20 suplentes. Os mandatos têm duração de dois anos.

A missão do grupo é reconhecer a linguagem como patrimônio cultural, documentar e pesquisar a diversidade linguística do Estado. Um dos objetivos é proteger esse bem cultural fomentando projetos, ações, eventos, encontros e publicações, reconhecendo a relevância das línguas como identidade, parte da história e patrimônio imaterial.

Foi elaborado no primeiro mandato um plano setorial que agora será posto em prática, em ações que incluem mapeamento de idiomas e formação de professores para educação do plurilinguismo. Além do alemão, o colegiado tem representantes de idiomas como talian, línguas de sinais, como Libras, e línguas indígenas, como Kaingang.

LEIA MAIS: Audiência pública debate língua alemã no currículo escolar

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.