Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Problema sanitário

Subsolo de garagem é invadido por esgoto cloacal

Foto: Leandro Porto

Proprietário de um prédio na esquina das ruas Marechal Deodoro e 28 de Setembro, Lauro Mainardi Júnior enfrenta problemas com o esgoto que passa pelo subsolo. Ao invés de esgoto pluvial, com água da chuva, o esgoto cloacal, que vem das privadas dos banheiros, invadiu o local.

Em entrevista à Rádio Gazeta, ele diz que tentou que a Prefeitura de Santa Cruz do Sul solucionasse o problema. “Deram o retorno de que iriam arrumar, mas foram feitos apenas paliativos, nada definitivo.” O elevador do local, por exemplo, está sem funcionar. “Tiramos a parte líquida com uma bomba, mas no fundo tinha material sólido que eu não preciso explicar o que é. Quando os dias são mais quentes, o cheiro fica insuportável, sem falar dos mosquitos.”

Com sala no local, a médica Laura Canti lembra que quando chove é preciso andar no meio do esgoto. “Além do mau cheiro, é uma questão sanitária, de saúde, pois não se pode ter contato com esses dejetos, que podem trazer alguma doença.”

Preocupação
O empresário espera chamar a atenção para o problema, que pode se repetir em outros prédios, e que os responsáveis resolvam a situação. “Em muitos locais situações como essa estão escondidas no solo. Aqui percebemos quando cavamos. É esgoto jogado clandestinamente, infiltrando o solo, o lençol freático. Quando vê ele vai para a água que bebemos. Não quero polemizar, mas sim resolver.”

Contraponto
O secretário de Transportes, Serviços Urbanos e Mobilidade Urbana, Leandro Kroth, salienta que todos os problemas de engenharia têm solução, “uns mais difíceis e outros mais fáceis”. “Num primeiro momento, se é vazamento de esgoto, é uma questão de saúde. É preciso acionar a Vigilância Sanitária e descobrir de onde vem o problema. Não é algo simples.”

Ele ainda complementa que, se o esgoto parte de uma casa, cabe à Vigilância notificar o proprietário e pedir para que ele faça o conserto. Já se o problema parte de via pública, a responsabilidade é da Prefeitura.

Conforme a gerente da unidade local da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), Rosângela Freitas, uma equipe da empresa pública chegou a ir até o local na tarde dessa quarta-feira, 12, verificar a situação. Como, segundo ela, o serviço não compete à Corsan, ficou acordado que a fiscalização e a solução ficariam a cargo da Prefeitura.

MP pede respostas
O promotor de Defesa Comunitária, Érico Barin, diz que o Ministério Público irá solicitar ao município que informe por qual motivo o problema persiste. Ainda, quais medidas adotará para solucionar o problema.

* Com informações do repórter Leandro Porto, da Rádio Gazeta

LEIA TAMBÉM: Decreto exige planos de saneamento básico até 2022

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.