Prato do dia 24/04/2020 18h01

Eu, Gourmet: o risoto de cordeiro com provolone

Sabe aquela carne de cordeiro que sobrou do churrasco? Ela pode ser desfiada e dar à luz este saboroso risoto!

Aqui no Rio Grande do Sul não chamamos de cordeiro este tão apreciado corte de carne, mas sim de ovelha! Independente do sexo do animal, o certo é que esta carne é uma delícia: leve, gostosa e versátil no preparo. E aquela sobra do churrasco pode ser desfiada e preparada junto ao arroz arbóreo num delicioso risoto finalizado com queijo provolone, numa combinação perfeita! Acompanhe.

Com o que e como fazer

Ingredientes (para 4 pessoas):
2 xícaras de arroz arbóreo ou carnaroli
2 colheres de manteiga
Uma cebola picadinha
Um dente de alho picadinho
Uma taça de vinho branco seco
300g de carne de cordeiro assada e desfiada
1 cenoura pequena cortada em cubinhos
1 pimentão vermelho pequeno cortado em cubinhos
4 xícaras de caldo de carne
1 xícara de colher de queijo provolone ralado
4 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem
Cebolinha verde fatiada
Sal e pimenta preta a gosto

Preparo: aqueça uma colher de azeite de oliva numa panela e refogue a cebola, o alho, o pimentão e a cenoura até murcharem. Juntar a carne de cordeiro e o arroz e mexer com os ingredientes. Somar o vinho, cozinhando até evaporar parte do líquido. Aos poucos ir adicionando o caldo de carne, concha por concha, mantendo encharcado o preparo. Temperar com pimenta-preta e corrigir o sal. Cozinhar por cerca de 20 a 25 minutos para que o arroz fique “al dente”. Desligar o fogo e juntar a manteiga e o queijo provolone. Misturar bem, tampar a panela e deixar descansar por aproximadamente três minutos, o que finalizará o cozimento do arroz. Servir o risoto em seguida regando com um generoso fio de azeite de oliva e com a cebolinha verde por cima!

Confira receitas, crônicas e dicas de vinhos acessando o blog www.eu-gourmet.com

LEIA TAMBÉM: Eu, Gourmet: espetinhos de chicho para fazer junto com as crianças

FALA, BACO
A Vinícola Almaúnica é mais uma das gratas vinícolas do Vale dos Vinhedos em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha. Fundada em 2008 pelos irmãos gêmeos Magda e Márcio Brandelli (in memoriam) em estilo moderno e com foco na qualidade, envasa mais de 80 mil litros por safra. E é um de seus produtos – o Almaúnica Merlot Reserva 2011 – o comentado da semana.

A uva Merlot, para muitos, é tida como o cartão de visitas do vinho gaúcho – especialmente na Serra – devido a sua ambientação no clima desses pagos.
Oriunda da região de Bordeaux, é a casta mais produzida por lá e entra em quase todos os seus famosos blends. Este Almaúnica é bastante concentrado. Possui cor rubi violáceo muito brilhante e traz aromas denotando frutas negras maduras (ameixa, romã, groselha), também tâmaras e hibiscos, violeta, mentol, tostado, tabaco, café, chocolate e pimenta-negra! Boca com madeira e fruta integradas, concentrada, boa acidez, corpo médio, taninos polidos. Retrogosto agradável e amplo final.

LEIA TAMBÉM: Eu, Gourmet: veja como fazer deliciosos potinhos de siri

Estagiou por 14 meses em barricas 50% de carvalho francês e 50% de carvalho americano. Este vinho faz belo par gastronômico com carnes vermelhas grelhadas, caças, pato, codorna e massas com molhos condimentados. Tem 13% de graduação alcoólica, e o ideal é ser degustado refrescado na temperatura de 18 graus.

Você encontra os vinhos Almaúnica na Wein Haus, loja especializada em vinhos localizada na Rua João Pessoa 895, Santa Cruz do Sul, fone (51) 3711 3665, WhatsApp (51) 98416 6407 e site www.weinhaus.com.br. Neste período de restrições pela Covid-19, possui serviço de telentrega de vinhos a domicílio, confira! E lembre-se: se beber, NÃO DIRIJA!

LEIA TAMBÉM: Eu, Gourmet: peixe no leite de coco

VOCÊ SABIA?
O provolone é um queijo de origem italiana, tendo nascido ao sul daquele país. Nas tradicionais regiões da Itália, a massa do provolone é amarrada com cordas ou redes para secar. A seguir, ele é defumado até que atinja a sua cor característica. A crosta do queijo provolone é firme, lisa, resistente e de cor amarelo-castanha devido à defumação. Sua consistência é semidura, sabor levemente marcante e picante e leve odor de fermentação. É possível degustá-lo de diversas formas: puro, temperado, ralado, gratinado, na composição de molhos, em lanches e sanduíches. Combina bem com vinhos tintos encorpados.