Eleições 2018 31/08/2018 09h39 Atualizado às 12h28

Em campanha, Sartori diz que “caminho está traçado”

Ao fazer nessa quinta-feira o primeiro roteiro pela região, candidato à reeleição defendeu o ajuste fiscal de seu governo

Na primeira visita ao Vale do Rio Pardo enquanto candidato, o governador José Ivo Sartori (MDB) defendeu nessa quinta-feira, 30, o ajuste fiscal promovido em sua gestão e disse que a recuperação das finanças do Estado será prioridade novamente em um eventual segundo mandato. “O caminho está traçado e vamos continuar fazendo o que precisa ser feito”, disse.

Em entrevista à Rádio Gazeta, Sartori afirmou que seu governo, marcado por medidas de enxugamento da máquina pública, foi “uma oportunidade de mostrar que é possível transformar”. Ao defender a política de corte de despesas, Sartori afirmou que é preciso “olhar para frente” e pensar nas futuras gerações. Exaltou o fato de, à época de sua posse, as projeções orçamentárias apontarem para um deficit de R$ 25,5 bilhões nas contas estaduais ao fim de 2018 e que hoje, após as medidas, a previsão é de R$ 8 bilhões. Afirmou, no entanto, que ainda há “muito pela frente”, lembrando, por exemplo, que o deficit da Previdência estimado para esse ano é de R$ 11 bilhões. Segundo ele, o Estado seguirá enfrentando dificuldades até que a economia do País se recupere.

LEIA MAIS: Sartori diz que edital de concessão da RSC-287 sai este ano

Questionado sobre os parcelamentos de salários, que colocaram seu governo em colisão com as corporações de servidores, alegou que o governo se esforçou para quitar a folha até o 10º dia útil de cada mês e recordou que o Estado vem, desde setembro de 2017, pagando primeiro os servidores com as menores remunerações. Descartou, porém, o fim dos parcelamentos no curto prazo. “A realidade é essa, vamos enfrentá-la”, falou.

O governador ainda criticou a Assembleia Legislativa por ter barrado algumas das propostas encaminhadas pelo governo, como o projeto que alteraria a regra do duodécimo (vinculando a parcela dos demais poderes à receita efetivada e não mais à receita projetada) e o plebiscito para privatização da CEEE, CRM e Sulgás. Segundo ele, se essas medidas tivessem sido aprovadas, o governo teria mais recursos para pagar servidores e fazer investimentos em áreas essenciais. Sartori defendeu ainda a adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal da União. “É um acordo difícil de conquistar e que exige muita luta e solidariedade”, falou.

Sartori chegou a Santa Cruz no fim da manhã. Na sua comitiva estavam os dois candidatos ao Senado de sua chapa, José Fogaça (MDB) e Beto Albuquerque (PSB), e candidatos a deputado, além do senador Lasier Martins (PSD). No município, ele deu entrevistas, fez uma caminhada pelo Centro e participou de um almoço com apoiadores no Centro Cultural 25 de Julho. Depois, seguiu para agenda em Santa Maria.