Oportunidade

Oferta de empregos em 2014 cresce em Santa Cruz

Mesmo com desaceleração em nível nacional, município conseguiu elevar criação de empregos

Foto: Rodrigo Assmann

Após estágios, Jéssica e Diovana conseguiram assinar carteira
Após estágios, Jéssica e Diovana conseguiram assinar carteira

Na contramão do estado e do País, Santa Cruz do Sul conseguiu elevar em um terço a criação de postos de trabalho com carteira assinada em 2014. Puxado pelo setor industrial, o município obteve um saldo de 1.130 vagas, ante 845 no ano anterior.

Divulgados na sexta-feira, os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) apontam que, entre janeiro e dezembro, foram 31.608 admissões e 30.478 desligamentos. Com isso, o município teve o quarto melhor desempenho do Rio Grande do Sul, atrás apenas de Porto Alegre, Guaíba e Lajeado, e à frente de economias maiores, como Caxias do Sul e Canoas (veja boxes na página ao lado). Alguns dos municípios que alcançaram os melhores saldos, porém, apresentaram queda em relação a 2013 – inclusive a Capital, que empregou menos da metade, assim como Pelotas e Bento Gonçalves. Já um dos maiores crescimentos foi em Guaíba, que criou praticamente mil vagas a mais, estimulado pela ampliação da empresa Celulose Riograndense, o maior investimento privado da história do estado.

No caso de Santa Cruz, a indústria de transformação também teve papel determinante. Enquanto em 2013 o segmento havia gerado apenas 51 vagas, em 2014 foram 467. Segundo o Caged, o setor de metalurgia foi o principal responsável pelo salto, por conta de investimentos realizados por empresas, enquanto a fumicultura, carro chefe da economia local, teve saldo negativo. Ainda que com ligeiros recuos em relação ao ano anterior, comércio e serviços também tiveram mais contratações do que desligamentos. Já a construção civil teve o segundo ano consecutivo com mais demissões – a profissão de pedreiro foi uma das que mais registrou demissões.