RELEMBRE 24/06/2020 09h43 Atualizado às 16h35

Santa Cruz já enfrentou nuvem de gafanhotos como a que ameaça a fronteira

Arquivos da Gazeta do Sul mostram o município afetado pelo fenômeno na década de 1940

A nuvem de gafanhotos que ameaça os pastos e lavouras da Argentina e da fronteira do Rio Grande do Sul nesta semana, reacende uma lembrança distante para os mais velhos santa-cruzenses. Há 75 anos, na primavera de 1945, o mesmo fenômeno atingiu o município pela primeira vez, o que viria a se repetir algumas vezes ao longo dos anos, trazendo prejuízo aos agricultores da região. 

LEIA MAIS: Argentina alerta fronteira gaúcha para nuvem de gafanhotos

Em 19 de agosto de 1947, a Gazeta noticiou que, “nas últimas semanas, tornou-se acontecimento quase diário a passagem de nuvens compactas de gafanhotos pelo município.” Menos de uma semana depois, conforme os arquivos da Gazeta, nova matéria contava que uma gigantesca onda atingiu a cidade. De todos os distritos, à época, vinham notícias de prejuízos nas lavouras e pomares.

Reportagem de 19 de agosto de 1947

No ano passado, pesquisa do jornalista José Borowski lembrou que, para amenizar os problemas, o governador Walter Jobim enviou uma equipe de 50 pessoas para ajudar os agricultores a combater os insetos. Os registros informam que eles contavam com um lança-chamas com alcance de 25 metros, para proteger as plantações na região de Vale do Sol (na época, Trombudo). O “prato predileto” dos gafanhotos eram as lavouras de trigo.

Depois da segunda aparição e destruição, os animais voltaram em janeiro de 1948, gerando pavor em localidades como Linha Sítio, Dona Carlota, Cerro Alegre e outros. O senador gaúcho Salgado Filho relatou o prejuízo dos agricultores de Santa Cruz, Venâncio Aires, Lajeado e Sobradinho no Congresso.

Estudos concluíram que a praga era proveniente da fronteira, da mesma forma que ameaça a região desta vez. Agora, por causa da proximidade com a região fronteiriça do Brasil, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) emitiu alerta para que sejam tomadas as medidas cabíveis de monitoramento e orientação aos agricultores da região, em especial no estado do Rio Grande do Sul, para a adoção eventual de medidas de controle da praga caso esta nuvem ingresse em território brasileiro.

Segundo o próprio Ministério, o fenômeno acontece no Brasil desde século XIX e já causou grandes perdas às lavouras de arroz na região sul brasileira nas décadas de 1930 e 1940. “Desde então, tem permanecido na sua fase “isolada” que não causa danos às lavouras, pois não forma as chamadas ‘nuvens de gafanhotos’. Recentemente, voltou a causar danos à agricultura na América do Sul, em sua fase gregária (formação de nuvens)”, disse o Mapa, em nota. 

LEIA MAIS: Governo do Estado monitora nuvem de gafanhotos que está na Argentina

Os fatores que levaram ao ressurgimento dos gafanhotos, na fase mais agressiva da praga, ainda estão sendo avaliados pelos especialistas e podem estar relacionados a uma conjunção de fatores climáticos, como temperatura, índice pluviométrico e dinâmica dos ventos, informou o Ministério.