Troca de clima 22/09/2020 07h29 Atualizado às 10h05

Na despedida do inverno, geada castiga plantações de tabaco

Em Linha Herval de Baixo, no interior de Vale do Sol, mínima registrada ao amanhecer foi de apenas 2 graus

Oficialmente, a primavera começa às 10h30 desta terça-feira, 22. A estação, que será marcada pelos efeitos do fenômeno climático La Niña, também poderá trazer para a região o frio fora de época. Nessa segunda-feira, 21, na despedida do inverno, com mínimas de 2 graus na superfície, a geada branqueou os campos e cobriu folhas de tabaco já em desenvolvimento.

Nos quatro hectares da propriedade da família Mueler, em Herval de Baixo, no interior de Vale do Sol, uma fina camada de gelo cobriu parte da plantação de 60 mil pés de tabaco, transplantados no fim do mês de agosto. “Este frio agora faz com que as folhas não se desenvolvam na mesma velocidade que nós esperamos”, explicou Adilson André Mueler.

LEIA TAMBÉM: Primavera chega nesta terça sob influência do fenômeno La Niña

O produtor conta que há muito tempo o interior não registrava um frio tardio, após a segunda quinzena de setembro. “Nossa expectativa é colher este tabaco a partir do fim do mês que vem. Esperamos que não caia outra geada antes desse período”, complementou.

Segundo a meteorologista Estael Sias, da MetSul Meteorologia, primaveras com incidência do fenômeno climático La Niña têm a possibilidade de geada tardia. “A geada ocorre quando as temperaturas ficam abaixo dos 5 graus, sendo que essa temperatura é medida acima do solo. Na área onde o gelo se forma, as mínimas ficam próximas de zero”, explicou.

De acordo com Estael, a tendência de períodos de frio deverá se repetir nos próximos meses. “Não se descartam novos episódios no Estado e nem na região durante o mês de outubro”, alertou a meteorologista.

LEIA TAMBÉM: Tabaco orgânico é a aposta em propriedade rural de Camaquã

Primavera de estiagem e granizo

A primavera deve ter chuva irregular neste ano. De acordo com a MetSul, haverá grande variabilidade na distribuição da chuva de região para região, com algumas áreas apresentando precipitação acima da média do trimestre de setembro a novembro e outras com volumes abaixo da média histórica. Episódios de chuva volumosa e intensa regionalizados são esperados, com acumulados de precipitação muito altos em curto período, mesmo com o Oceano Pacífico sob o La Niña.

Já agora, no final de setembro, o Rio Grande do Sul pode ter um episódio de chuva com altos volumes em diversas regiões. A MetSul alerta que, na medida em que o verão se aproximar, entre novembro e dezembro, a irregularidade da chuva tende a se acentuar e algumas áreas do território gaúcho podem enfrentar déficit hídrico.

Outra característica da primavera com La Niña são as tempestades de granizo. No Rio Grande do Sul, sobretudo as regiões dos Vales, o Noroeste, a Serra, o Planalto e os Campos de Cima da Serra são têm maior propensão para a ocorrência do fenômeno.

LEIA TAMBÉM: Em Passo do Sobrado, o tabaco já está na estufa