Marcos Rivelino 09/08/2018 00h35 Atualizado às 09h55

Gol importante

O zagueiro Kannemann fez o que André insiste em não fazer: balançar a rede do adversário

O zagueiro Kannemann fez o que André insiste em não fazer: balançar a rede do adversário. Mais do que isso, deixou o Grêmio muito próximo da classificação na Libertadores, bastando uma vitória simples de 1 a 0. Mas a verdade é que o time não jogou bem sem a intensidade, a concentração e o foco que a competição de mata-mata exige.

O técnico Renato Portaluppi foi muito direto ao responder a um questionamento sobre o lateral Marcelo Oliveira: “Entrou porque eu quis”. O técnico gremista tem muito crédito com o torcedor, mas não está acima do bem e do mal. Cortez é mais jogador, era o titular até a semana passada e não vejo motivos técnicos ou físicos para a sua saída do time.

Além da lateral esquerda, também percebo que, para o jogo da próxima semana, diante do Flamengo, pela Copa do Brasil, Maicon e Cícero não conseguem dar a sustentação defensiva que o Grêmio precisará no Maracanã. São jogadores cadenciados, sem muita mobilidade, diferentes de Jailson, mais marcador e veloz. Se Everton jogar, o Grêmio ganha muito na parte ofensiva, embora venha sofrendo com a falta de um centroavante goleador.

Ambição colorada

Mantendo-se firme na parte de cima da tabela, merecidamente, o Internacional, com seu futebol solidário e competitivo, tem demonstrado que pode e quer mais neste Brasileirão. Se confirmar a contratação de Paolo Guerrero, demarca território entre as equipes que brigarão por Libertadores e título no ano que vem. O contrato com o peruano é de risco, reconheço, mas a direção passa ao seu torcedor sinais de ousadia, ambição e otimismo.

Boa semana a todos.