Marcos Rivelino 13/11/2018 23h02 Atualizado às 09h55

Sem novidades

Aqui nos trópicos demitir técnicos é parte do contexto

Quando o calendário do futebol é distribuído aos clubes, todos fazem seus planos e traçam objetivos. O que não se pode imaginar é a quantidade de trocas nas comissões técnicas, situação corriqueira, infelizmente, no futebol brasileiro. E não é só demitido quem está para ser rebaixado, caso de Adilson Batista, do América-MG. Também são mandados embora profissionais que brigam por vaga na Libertadores, como Diego Aguirre, do São Paulo. E olha que a direção executiva do clube paulista é comandada por Raí e Ricardo Rocha, ex-jogadores com larga experiência na Europa. Aqui nos trópicos demitir técnicos é parte do contexto. Ainda temos muito que evoluir em certos aspectos.

No G-4
O Internacional, mais uma vez, deixou escapar uma chance de diminuir a diferença em relação ao Palmeiras. Teve oportunidades de encaminhar uma vitória sobre o Ceará com vantagem maior que dois gols, mas sofreu o empate e ficou no 1 a 1. O Grêmio, com os meninos Matheus Henrique e Jean Pyerre, foi buscar nos acréscimos uma importante vitória sobre o Vasco, presenteado pelo “frango” do goleiro Martín Silva. Amanhã, o Grêmio encara o São Paulo no Morumbi, num confronto direto pelo G-4, e o Inter, no Beira-Rio, tem a obrigação de vencer o quase rebaixado América-MG.

Semifinais
O Avenida vai encarar o Zequinha por vaga na final da Copa Wianey Carlet. Neste ano, já são duas semifinais para o Periquito (Gauchão e Copinha), o que revela um grande desempenho. É hora de pensar positivo, ser ambicioso, acreditar que pode chegar e enfrentar o São José com muita personalidade e lucidez. Boa sorte ao Avenida. Boa semana a todos.