JF Vighi 17/12/2018 04h26 Atualizado às 09h37

Nos Plátanos

Uma luz brilha na Gaspar Silveira Martins. Uma esperança aflora nos Plátanos. Após a queda melancólica para a Terceirona

Uma luz brilha na Gaspar Silveira Martins. Uma esperança aflora nos Plátanos. Após a queda melancólica para a Terceirona, o Santa Cruz traz de volta um presidente que já sentiu as dificuldades do clube em 2014. Tiago Rech, torcedor fanático do Galo, é presidente outra vez. O desafio é maior do que o anterior. Agora tem que voltar à Série A2 do futebol gaúcho, onde não estão os melhores e sim aqueles que querem buscar a elite. Dárley Costa, o técnico, tem sua carreira tatuada no Galo como jogador e foi, por muito tempo, auxiliar técnico do Beto Campos, campeão gaúcho em 2017 pelo Novo Hamburgo. Wiliam Campos é o filho do Beto e o Serginho também tem sua vida registrada na história carijó. Sangue na veia na comissão técnica. Luiz Carlos Vitielo e Irineu Roesch são antigos dirigentes e darão à jovem diretoria a experiência e a malandragem do futebol. Não podemos esperar grandes investimentos, porém escalada de qualidade do futebol gaúcho terá a dedicação máxima em busca do seu objetivo. Estamos juntos.

Na cesta
O título de campeão gaúcho de basquetebol adulto conquistado na sexta-feira pela jovem equipe do União Corinthians é o resgate da hegemonia em um esporte que faz parte da nossa comunidade. Mesmo após o título brasileiro e a queda do basquete profissional, algumas pessoas mantiveram vivo o espírito do esporte, com a evidência das categorias de base. Vimos ascender o Bira de Lajeado e o Caxias do Sul. Olhávamos tudo acontecer. Novas cabeças e jovens jogadores trazem o título gaúcho para Santa Cruz. Estamos em paz. Acreditar na volta dos bons tempos passa pela dedicação da comunidade e daqueles que vivem o basquete. Parabéns a todos.