Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

JOSÉ ALBERTO WENZEL

Betina

Sábado. Ela levanta como nos demais dias. Antes de sair para o trabalho profissional, prepara o café para as três: a mãe, a filha e ela. A mesa instalada na peça que integra sala e cozinha é cuidadosamente preparada. Pratinhos, xícaras, talheres, guardanapos. Pão, geleias. Café, leite e bolo. Mesa posta, hora de buscar a mãe, próxima dos 80 anos. A filha, hoje sem aula, pode dormir um pouco mais. Vai tomar seu café com a cuidadora que virá logo a seguir.

Reconduzida a seu quarto, a mãe estende um “soninho” reconfortado pelo café prazeroso. Ela, agora quase sem tempo para ver se tudo está em ordem, toma o rumo do seu emprego. Atravessa a cidade de sul a norte. Conhece os atalhos. Dirige com segurança. Um pouco antes das 8 horas chega ao local do serviço, onde atua como gerente. Distribui as tarefas. Preenche lacunas e resolve imprevistos. Manhã que voa.

Nos outros dias, voltaria para casa só à tardinha. Hoje não. Sorri com elegância. Sabe que cumpriu seu dever da semana, do mês e dos anos. Já faz tempo que merece a condição de gestora. Quase 12 horas. Certifica-se de que tudo está a contento. Irá almoçar com os seus. Vai abraçar a filha e a mãe. Não deixará de afagar o cachorro que, por certo, estará esperando junto ao portão.

Já em casa, depois do almoço, das novidades contadas, dos problemas apresentados, ouvido o noticiário, o pátio pede zelo. Uma amoreira ergue-se vigorosa. Logo vai florescer. Ela posiciona os ramos espinhosos. Amarra aqui, suspende ali. Sabe que das flores surgirão frutinhas gratas pelo cuidado. Afofa a terra dos pequenos canteiros de verduras. Ajeita alguns tijolos caídos sobre a grama. Rabisca o olho para a sala. Tudo está bem. A mãe, esquecida dos tempos e feitos, brinca com o cachorro. A filha, entre uma página e outra do livro que lê, a observa carinhosamente. Como a admira! Reconhece sua luta diária, o zelo dedicado a ela e sua avó, a atenção continuada a tudo o que envolve o dia a dia. Quase não compreende como uma pessoa, prendada como sua mãe, consegue ser tão amorosa em meio a tantas dificuldades. Larga o livro. Vai até a mãe e a abraça. As duas vertem gotas no jardim.

O dia se faz curto. Cabem ainda rápidas conversas com as gentis vizinhas. A janta, melhorada em relação aos demais dias da semana, demora-se na sobremesa. Hoje um pudim. Daqueles que ninguém nega. Consistente, caramelado, de furinhos mágicos. Impossível não repetir. Aos poucos o sono acalenta a casa. A filha adormece em seus braços. A mãe recolhera-se em paz. Jeitosa, sem acordar a filha, se dá o prazer de um cálice de vinho. Afinal, amanhã será o dia da trabalhadora.
Antes de adormecer, ela, a Betina, reza para que todes possam ter dignas oportunidades de trabalho.

VEJA MAIS TEXTOS DO COLUNISTA JOSÉ ALBERTO WENZEL

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.