Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

OBJETIVA MENTE

Depressão além da tristeza

Tristeza é um dos muitos estados afetivos normais do ser humano. Não há como viver a vida sem senti-la. Desde que proporcional e adequada ao momento de vida que estejamos passando, ficar triste não só é normal como necessário. Sem tristeza não há a valorização e busca daquilo que nos faz alegres. Uma das melhores definições de tristeza é a de Espinoza. Para ele, estar triste é perder potência de agir. Quando estou triste, sou menos de mim mesmo.

Comumente a tristeza é confundida com depressão e esta, por sua vez, é utilizada para definir o mais incapacitante e prevalente dos transtornos mentais: a Depressão Maior. Em números absolutos de prejuízo, incapacidade e suicídio, nada supera ela. Estima-se que duas a cada 10 pessoas terão depressão ao longo da vida, sendo que a prevalência tem aumentado nas últimas duas décadas, e por conta da pandemia, as projeções pioraram. As mulheres têm duas vezes mais depressão do que os homens.

Quando vemos alguém choroso, desanimado ou para baixo, facilmente detectamos a depressão. Mas penso ser importante ressaltar que a depressão vai além do humor deprimido ou triste. Ela compromete muito mais do que somente o afeto. É um transtorno sistêmico que causa prejuízo e sofrimento significativo no funcionamento da pessoa, seja na vida pessoal, ocupacional, social ou familiar. Não é à toa que ela é mortal.

Além da tristeza, a pessoa pode ter uma marcada perda de prazer e de interesse por aquilo que ela previamente fazia. Aqui fica muito clara a redução da potência de agir espinoziana. O que antes fazia a pessoa vibrar e alegrar-se, vira algo sem graça ou às vezes até desprazeroso.

Outro sintoma comum de depressão é a irritabilidade, sendo mais comum em homens. Os homens frequentemente vivenciam a depressão de modo diferente das mulheres. Enquanto as mulheres deprimidas são mais propensas a ter sentimentos de tristeza, menos valia e culpa excessiva, os homens são mais propensos a referir muito cansaço, irritação, perda de interesse e dificuldades para dormir. Por falar em sono, a depressão pode ocasionar tanto insônia quanto sonolência excessiva. O apetite pode estar aumentado, diminuído ou ausente. É marcante a falta de libido ou disfunção sexual com o aparecimento da depressão.

Afetando o organismo como um todo, não é surpresa que a depressão está relacionada com o aparecimento e as complicações de infarto, derrames, reumatismos, problemas de pele, demências e outras doenças que abreviam a vida e diminuem sua qualidade.

A depressão afeta o funcionamento cerebral, causando perda de memória, perda de concentração, dificuldade de tomar decisões e uma diminuição na capacidade de pensar. Os pensamentos estão distorcidos, gerando culpa excessiva ou inadequada, sentimento de inutilidade e ideias recorrentes de morte, muitas vezes levando a pessoa a tentar ou cometer suicídio.

Como vocês podem ver, Depressão Maior é muito mais que tristeza, preguiça ou falta de vontade. É transtorno grave e altamente incapacitante, quando não, fatal.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE VINÍCIUS ALVES MORAES

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.