Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

falando em dinheiro

Dia dos Avós

Na última terça-feira, 26, comemorou-se, no Brasil, o Dia dos Avós. A data foi escolhida em homenagem ao dia de Santa Ana e São Joaquim que, segundo a tradição da igreja católica, são os pais de Maria e, portanto, avós de Jesus Cristo. As datas das festas do casal de santos eram distintas e foram juntadas, num único dia – 26 de julho -, pelo Papa Paulo VI.

Com as mudanças do mundo, de comportamento e de gerações, o perfil dos vovôs e das vovós também se transformou, ganhou novas  cores e contornos. A imagem dos doces velhinhos, mais quietos, guardiões das tradições familiares e repletos de sabedoria incontestável não é mais a mesma. Mesmo sendo cada vez mais ativos, participativos e presentes na vida dos netos, são frequentemente questionados ou até contestados por esses, principalmente quando envolvem usos e costumes.

Mas se as relações entre avós e netos ainda são gostosas e saudáveis, com eventuais ignorâncias tecnológicas, de costumes ou de linguajar, levadas com bom humor, na brincadeira, o mesmo não ocorre, muitas vezes, entre avós e pais, marcadas eventualmente por tensões. Isso se manifesta, na maioria das vezes, por divergências sobre a educação a ser dada aos netos. É a avó que quer dar aquele chazinho para cólica do bebê, com a forte resistência ou até a negação determinada da mãe que segue à risca o conselho do pediatra. Ou é o avô que dá um doce ao neto, meia hora antes do almoço, contrariando as regras da casa. Enfim, desavenças surgem entre pais e avós, quase sempre por motivos menores e que poderiam ser reduzidas com o empenho e paciência de todos.

Em novembro de 2020, viralizou um post na rede Reddit, na qual as pessoas deixam perguntas e pedem a opinião de outros. Na postagem, a avó perguntava se era correto ela cobrar um valor mensal para cuidar do neto, enquanto a filha retomava a atividade profissional, depois da licença-maternidade. Com opiniões a favor e contrárias, as duas mulheres optaram que a avó assumiria os cuidados do neto e a mãe pagaria um valor negociado pelo serviço.  

Reportagem do site G1 apurou que não é tão rara a contratação formal de avós para cuidarem de netos, recebendo dinheiro por isso e até os direitos previstos na CLT. Uma das mães explica que chegou a buscar outras possibilidades como creches e escolas. Mas ter o bebê sendo cuidado pela avó seria uma opção melhor para manter o laço familiar. Uma das avós revelou que faz isso por amor e só aceitou o dinheiro por necessidade financeira.

Além dessas questões que podem chocar muita gente, o aumento da longevidade permite um maior convívio entre avós e netos. Muitos pais e mães que trabalham fora passaram a contar com o apoio dos avós, deixando os filhos sob os cuidados deles. O problema é encontrar a medida certa para não entrar em conflito com os filhos na educação dos netos. Não é incomum ouvir-se que os “avós estragam os netos”, com excesso de mimos.

Além de muitos valores que avós podem compartilhar com os netos – honestidade, tolerância, respeito, bondade, generosidade, amabilidade, caráter, responsabilidade – é importante que os progenitores demonstrem amor também pelo lado  financeiro. Os netos de qualquer idade precisam entender o valor do dinheiro e não achar que podem pedir e ganhar livremente itens de consumo sem respeitar o orçamento dos avós. Os avós, por sua vez,  precisam ter responsabilidade com os “mimos” para os netos. Quando há exagero no ato de presentear, os netos podem não perceber o custo desse cuidado e carinho, achando que estão por merecer esses mimos.

Para influir positivamente com princípios financeiros na relação entre avós e netos, o Programa de Educação Financeira da Previnorte relacionou algumas recomendações:

  1. ajudar os netos a entenderem que dinheiro não é o que mais importa: claro que é necessário ter uma renda para ter uma vida digna, mas pessoas com mais experiência sabem que só dinheiro não é garantia de felicidade;
  2. nem toda atividade precisa de dinheiro para ser divertida: a própria valorização do tempo em que passam juntos não deve ter preço;
  3. compras devem ter regras: os netos não precisam receber brinquedos caros ou acessórios de marca toda vez que encontram os avós;
  4. ensinar aos netos o que é caro ou barato: nem todo valor é permitido, havendo necessidade de  cotar e comparar preços, eventualmente até descartando alguma compra.  

O melhor caminho para os avós ajudarem na educação financeira das crianças é “combinar regras”. Na questão da mesada, por exemplo, não adianta os pais determinarem um valor mensal se os avós derem dinheiro o tempo todo para a criança ou, então, a socorrerem financeiramente ante eventual pedido ou até necessidade. Isso não significa que não possam dar o dinheiro, mas que seja feito com o conhecimento e aprovação dos pais. Outra forma de educar financeiramente os netos é não dar tudo o que a criança deseja – o que todo mundo sabe, mas poucos conseguem fazer. A criança quer comprar algo? Deixe que ela se esforce e junte um valor para só então ajudá-la.

Por fim, se a família se preocupa com a educação financeira das crianças, lições sobre o uso consciente do dinheiro podem fazer parte da relação entre avós e netos. Claro, sempre de acordo com o que pensam os pais, consultando-os antes de tomar qualquer atitude a respeito que envolva os netos.

LEIA OUTROS ARTIGOS DE FRANCISCO TELOEKEN

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e fácil de usar. Basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Ainda não é assinante Gazeta? Clique aqui e faça sua assinatura!

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.