Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Mudança de rotina

Especialistas orientam sobre como lidar com autismo durante a pandemia

Estar em isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus não é fácil para a maioria das famílias. E, para aquelas que têm membro com Transtorno do Espectro Autista (TEA), o desafio é ainda maior. Para que este momento seja mais tranquilo, ter uma rotina é fundamental para essa população, independentemente da gravidade do diagnóstico. A tensão natural durante a pandemia do novo coronavírus faz com que a atenção com pessoas com o TEA seja redobrada, já que elas pertencem ao grupo de risco.

“O cuidado precisa ser ainda maior, porque muitas dessas pessoas não têm o total entendimento da situação que estamos passando e não compreendem a necessidade e importância de lavar as mãos com frequência, usar álcool em gel, não levar a mão à boca, entre outros cuidados”, explica Carolina Quedas, doutora e mestre em Distúrbios do Desenvolvimento, com ênfase em avaliação e intervenção em habilidades motoras em crianças com TEA e coordenadora do curso de Educação Física da Anhanguera de Osasco, São Paulo.

LEIA MAIS: VÍDEO: iniciativa marca o Dia de Conscientização do Autismo na Apae

Abril é considerado o mês da Conscientização do Autismo pela Organização das Nações Unidades (ONU). O objetivo é dar visibilidade ao tema, que, muitas vezes, não é debatido na sociedade.

LEIA MAIS: Santa Cruz já confeccionou 19 carteiras de identificação para autistas

Dicas para famílias com pacientes de TEA durante a quarentena:
Para ajudar as famílias, Carolina Quedas tem algumas dicas de como ter uma rotina saudável com pacientes com TEA neste momento de isolamento:

1. Continue com sua rotina em casa: tente manter suas atividades como eram antes da pandemia. A criança e o adolescente com autismo ficam mais tranquilos quando sabem o que vai acontecer no seu dia. Desse modo, os impactos não serão tão agressivos com as pessoas que tenham algum grau do transtorno.

2. Procure adaptar as terapias para meios online. É importante que a criança ou adolescente tenha contato com especialistas mesmo que virtualmente.

3. Programe uma rotina de atividades físicas. É uma maneira de manter a criança em movimento. Entre as sugestões estão: jogar bola, saltar as almofadas, encher bexigas, rolar no chão, engatinhar, passar por obstáculos, brincar de estátua, amarelinha, “vivo ou morto”.

4. Mantenha uma alimentação saudável.

5. Converse sempre. O diálogo é muito importante, explique o que está acontecendo e a importância das medidas de higienização por exemplo.

LEIA TAMBÉM: Menino faz doação de dez telas à campanha Ame Juju

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.