Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

INSPIRAÇÃO

Graça, do nome ao canto

Foto: Nathana Redin/Gazeta da Serra

Hoje aposentada das salas de aula, a pedagoga Maria da Graça Lazzari Bernardy, 61 anos, tem atreladas a sua história duas paixões: a música e a educação. Ao conversar com a professora percebemos que estas ganharam impulso desde pequena e se seguiram com sua formação. Foram diversos cursos na área da música e regência de coral. “Desde sempre dei muito valor para esta área musical”, destaca.

O gosto surgiu na infância. “Morava com meus avós paternos, pais, tios e em casa todas as noites nos reuníamos e cantávamos. Meus tios todos tocavam instrumentos. Meu pai tocava gaita de boca e minha mãe foi grande influência porque sempre gostou muito de cantar”, recorda-se com carinho.

Entre os instrumentos de domínio dos familiares, estava, por exemplo, violino, bandoneón, gaita de oito baixos e acordeon. Um dos tios foi o responsável por lhe dar o primeiro violão. “Desde então entrei na Escola de Música Villa-Lobos, que funcionava em Sobradinho, com uma professora com grande qualificação na área da música”. Foi com ela que Maria da Graça, aos sete anos de idade, aprendeu violão clássico e não desligou-se mais da música.

LEIA TAMBÉM: Uma nova vida para ressignificar

Antes de tornar-se pedagoga, na década de 1970, formou uma dupla com a prima Raquel Lazzari. “Nos chamávamos ‘Primas Lazzari’ e tocávamos muito nos festivais da escola. Cantávamos músicas da época, da nossa vivência. Foi muito incentivo também da escola. A Escola Copetti, onde eu estudava, seguido me chamava para apresentar. Participei de coral enquanto aluna, fazia alguns solos”, lembra.

As ‘Primas Lazzari’

Tempo depois, graduada, professora da educação infantil e, mais em frente, das séries iniciais e magistério, sempre deu um jeitinho de agregar a música ao seu trabalho na educação. “Meu primeiro trabalho no magistério foi um contrato relacionado à música. A Escola Lindolfo Silva precisava à época de uma professora para dirigir a banda. Então surgiu esta oportunidade de ensaiá-los. Depois, quando surgiram oportunidades de ser nomeada, sempre dava um jeitinho de organizar um coralzinho ou atendia uma série e colocava às outras para cantar junto”, enfatiza.

LEIA TAMBÉM: Outubro Rosa: histórias de superação e amor à vida

De forma particular, Maria da Graça deu aulas de violão para muitas crianças, jovens e adultos, tendo feito curso na Escola Musisinos, em Novo Hamburgo, para qualificar a didática nesta área. Foi logo após este período que os corais floresceram na vida da professora. “Como já na Escola Copetti na época eu tinha um coral de professores e alunos, daí surgiu o interesse de um grupo de idosas para que eu ensaiasse um grupo italiano, um resgate da música e cultura italiana, da qual são minhas raízes também. Fui pioneira na região em quebrar este paradigma de que idoso não canta, que tem que ficar em casa esperando adoecer e ficar sem afazeres. Foi um trabalho muito legal, em que fui muito valorizada perante outros profissionais também, por ter a coragem e essa paciência e valorização ao idoso. A música, além de trabalhar a autoestima, ajuda a não envelhecer o cérebro. Foi aí que comecei a trabalhar com o Cantare è Vivere, que era voltado a pessoas acima de 70 anos. Depois que integrantes mais jovens ingressaram”, detalha.

Na regência dos corais já atuou em diversos municípios do Centro Serra

Deste momento em diante novos corais surgiram em sua vida, em Ibarama, Passa Sete, Estrela Velha e Sobradinho, também atuando com grupos de crianças. A música também a oportunizou ir a muitos lugares. “É algo feito por amor e que traz tantas alegrias. Fui cantar com meus grupos até em Santa Catarina. Entre eles abertura de eventos importantes no Estado”, destaca com orgulho. Já de forma solo, Maria da Graça teve a oportunidade de cantar em uma missa durante viagem à Paluzza, na Itália, a convite do hoje padre Tacio Puntel. “Eles ficaram impressionados, se emocionaram, foi muito legal”, conta ela sobre esta realização.

LEIA TAMBÉM: Natural do Centro-Serra, Tácio Puntel é ordenado padre na Itália

A professora revela ainda que para tocar e cantar uma música faz uso de horas de estudo, aperfeiçoando-se para se chegar ao resultado do trabalho através de muita dedicação e amor. Tal comprometimento lhe rendeu reconhecimentos especiais, como troféus em nível regional e estadual.

Companheiro inseparável, o violão está estampado no quadro com algumas das principais marcas da trajetória de Maria da Graça na música. Entre elas está a gravação do primeiro CD do Grupo Cantare è Vivere, com músicas do folclore italiano, e um CD solo com repertório italiano de canções românticas, gravado com o professor Mateus Costamilan.

Quadro guarda recordações da trajetória da musicista e os CDs solo e com o Grupo Cantare è Vivere

Durante 25 anos, junto com as professoras Arlinda Wietzke e Maria Cristina Marques cantou em muitos eventos. “O grupo se chamava ‘Elas’, pois diziam ‘chama elas’. Foram muito importantes também em minha formação. Um trabalho que vai ficar na minha memória e de muitas pessoas também”, destaca.

Com o grupo Elas participou, nas mais de duas décadas, de diversos casamentos, celebrações e eventos

Atualmente, Maria da Graça dedica boa parte do tempo às músicas religiosas, sendo uma participante voluntária nas missas. “Tenho muito gosto de realizar este trabalho que é ajudar nas celebrações. E é um lugar que me sinto muito bem de cantar. Vejo que tem uma troca com as pessoas. Isso é muito gratificante”, pontua.

LEIA TAMBÉM: Ela faz a diferença: a vida é boa, mas é ainda melhor com voluntariado

No momento, aposentada da pedagogia, mas não da música, Maria da Graça está mais voltada a apreciar os momentos em família. Segue na regência do coral Cantare è Vivere, que teve atividades paralisadas na pandemia e não vê a hora do reencontro de vozes. “Eu não vivo sem a música. Faz parte da minha vida. Os meses em que fiquei sem praticar e vivenciá-la, senti na mente, adoeci, também por estar longe dessa interação com os grupos. Acho que vai me acompanhar até onde eu puder. Hoje penso de deixar este legado para minhas netas, meus filhos, deste amor e dedicação”, enfatiza a musicista.

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.