Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Copa do Brasil

Grêmio ameaça não entrar em campo contra o Flamengo

Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Romildo Bolzan Júnior frisou que o Grêmio poderá não entrar em campo diante do Flamengo

Flamengo e Grêmio duelarão apenas no dia 15 de setembro, mas o confronto já começou fora das quatro linhas. Diante da insistência do clube carioca em contar com sua torcida no Maracanã, o Tricolor ameaça não entrar em campo para o jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil.

Conforme o presidente Romildo Bolzan Júnior, o Grêmio se encontra amparado pelo protocolo que definiu o regulamento da competição. “O Grêmio examina, por uma questão de equidade, não comparecer à partida se o Flamengo insistir em colocar público”, disse. O vice presidente jurídico Nestor Hein também comentou sobre o caso. “É uma regra que todos nós aderimos. Se o Flamengo vender ingressos e tiver com torcida no Maracanã, o Grêmio não deve jogar. Essa foi uma posição passada pelo departamento jurídico para a presidência”, declarou.

A postura do Tricolor está baseada no Protocolo de Recomendações para Retorno do Público aos Estádios, publicado pela CBF no dia 16 de agosto, que prevê equanimidade nos torneios mata-mata. Ou seja, como não havia presença de público na Arena, no duelo de ida vencido pelo Rubro-Negro por 4 a 0, as arquibancadas também devem estar vazias no segundo jogo.

A diretoria flamenguista, porém, conta em seu favor com uma liminar, concedida pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que condiciona a liberação de público à legislação do município. Como a prefeitura do Rio se manifestou favorável, a partir de uma nota técnica divulgada pela Secretaria de Saúde ainda na terça-feira, 7, o duelo com o Grêmio seria o primeiro evento-teste para o retorno das torcidas na capital, podendo ser preenchida até 35% da capacidade do estádio (cerca de 24 mil pessoas).

Este argumento, aliás, motivou o Flamengo a ser o único clube da Série A ausente no Congresso Técnico organizado pela CBF, nesta quarta-feira, 8, quando foi rejeitada a volta dos torcedores no returno do Brasileirão até que todas as cidades com equipes envolvidas tenham conseguido liberação junto às autoridades sanitárias locais.

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.