Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

CONTRAPONTO

Massa de manobras

Periodicamente, retomo um tema que julgo absolutamente prioritário. Social, política e, sobretudo, humanitariamente. Refiro-me à ocupação produtiva da pessoa.

Histórica, social e psicologicamente, o trabalho, em sentido amplo, é reconhecido como um elemento fundamental no processo de afirmação do ser humano.

Sua relação com a vida e a sobrevivência vai muito além da questão da produção de bens e renda. A ocupação produtiva do indivíduo está relacionada à ideia de dar um sentido à própria existência. Como eu afirmara na coluna anterior: realizar um ideal de pertencimento social.

Desde muito antes da pandemia, mas agora agravada a situação, vivemos uma época de contradição e depressão existencial, haja vista as alterações dos processos de produção e comércio, especialmente, com repercussões graves no quadro das atividades sociais e laborais.

Consequentemente, proliferam as redes de proteção social. Entidades governamentais e assistenciais criam e mantêm programas de ajuda. As palavras-chave são bolsa, vale, programa, auxílio, etc… São formas de amparo social. Milhões de brasileiros passam a viver e depender dessas redes.

O que para alguns pode ensejar uma espécie de socialização forçada de benefícios, distribuição de renda na ótica dos otimistas, no pensar de outros parece um inquietante processo de “educação” para o ócio e a despolitização. 

Ressalvado tratar-se de um ócio forçado (questão para outra discussão!), esses benefícios permitem às pessoas (sobre) viverem. Mas sem qualidade de vida, precária e resignadamente.

São circunstâncias negativas históricas, mas que estão temerariamente agravadas. E as vítimas desse processo de exclusão social e “inutilização humana” são, obviamente, os menos formal e profissionalmente educados e preparados.

Esse despreparo é gravíssimo porque incapacita e impede a mobilização dessas parcelas da população para uma reação ativa e positiva. Desesperançosamente, essas populações não têm utilidade para o sistema capitalista, nem para os defensores de outras vias ideológicas.

Para uns não servem porque fora e inaptos no processo de criação de riquezas, e para outros porque incapazes de autocrítica e construção de um projeto social reformador e revolucionário.

Mais grave: em verdade, servem como massas de manobras político-eleitorais. Restam desabilitadas e descompromissadas com objetivos produtivos de um ou outro sistema políticoeconômico. A história ensina! 

LEIA MAIS COLUNAS DE ASTOR WARTCHOW

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.