Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

MEMÓRIA

O galo dos ventos

A velha igreja matriz em cartão postal colorizado. No alto da torre, desponta o galo dos ventos que foi confeccionado em 1883 | Foto: Arquivo de Emigdio Engelmann

A antiga Igreja Matriz de Santa Cruz do Sul, que ficava no largo em frente à atual Catedral São João Batista, foi inaugurada em 1863. Em novembro de 1883, a torre passou por uma reforma. Como novidade, no alto da cruz de ferro que a ornamentava, foi colocado um galo de cobre. Combinado com a Rosa dos Ventos, ele indicava a direção dos ventos na cidade.

A peça artesanal foi confeccionada pelo funileiro Mathias Melchiors, a pedido do colono José Kluemper, que a doou para a matriz. A informação consta no Livro do Tombo da Freguesia de Santa Cruz, conforme pesquisa do falecido padre João Walter Giehl. Na época, o vigário era o jesuíta Augusto Lohmann.

Em 1940, quando a nova matriz (atual Catedral) estava pronta, a velha igreja acabou demolida e o galo dos ventos foi retirado. Não adiantava colocá-lo na nova torre, com 82 metros de altura, pois não seria visualizado. Com isso, ficou guardado na sacristia.

Galo de latão, que pertenceu a várias igrejas do interior, está no Museu do Mauá | Foto: Museu do Colégio Mauá

Tempos depois, a peça centenária foi comprada por Patrick Joseph Fairon e instalada no telhado da sua residência, na Rua Marechal Floriano, esquina com a Ramiro Barcelos. Nos anos 80, foi retirada e guardada pela família.

A colocação de um galo metálico no alto das igrejas católica e luterana é uma tradição europeia que remonta à Idade Média. A ave era símbolo da vigilância, profeta do tempo, aquele que acordava antes de todos, até mesmo do sol. Os antigos acreditavam que o galo nas torres espantava os maus espíritos e protegia as cidades das calamidades.

Em localidades de maior poder aquisitivo, chegavam a disputar para ver quem tinha o galo mais bonito e até usavam metais nobres na fabricação. Em outras, utilizavam latão.

No Museu do Colégio Mauá, está o galo de lata das igrejas das linhas Ferraz, São João, Dona Josefa, Andreas e Rio Pardinho. Ele foi fabricado em 1864. Na torre da Igreja Evangélica (IECLB) de Santa Cruz, na Rua Venâncio Aires, há um belo galo de bronze.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.