Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

FUTURISMO & INOVAÇÃO

O tom do novo ano

2021 vem mostrando a que veio. Entre tendências e especulações, há um território nublado no qual precisaremos navegar. Ninguém tem respostas e parece que a época de respostas exatas acabou. Navegar na incerteza, experimentar novos formatos e aceitar que não somos os donos onipotentes do nosso mundo são convites inevitáveis.

Hoje, vivemos o frio no verão, assistimos a chuvas intensas, ventos fortes, caos na nação mais poderosa do mundo e um aumento explosivo e óbvio nos casos de pandemia no Brasil e no mundo.

Enquanto isso, boa parte da população esqueceu dos cuidados básicos para evitar a contaminação pela Covid-19, e alguns parecem não ter empatia alguma por quem está sofrendo com essa doença. A vacina não resolverá o problema rapidamente.

Novos formatos de trabalho já se provaram mais eficientes que os anteriores. Há muitas dúvidas em relação à economia e ainda pouca consciência sobre os novos e inegociáveis chamados globais para pautas de inclusão, diversidade, caos climático e o novo capitalismo, que prestigia o meio ambiente, engajamento social e governança como os temas principais dos negócios e das organizações na próxima década. ESG, é bom ler sobre. 

No estudo de tendências que fiz para 2021, destaquei o uso do tempo, nosso bem vital mais precioso. Neste ano, o uso do tempo e a quantidade de tempo livre definirão a vida e os hábitos de muitos cidadãos e consumidores globais, que aprenderam que não é mais aceitável desperdiçá-lo com coisas irrelevantes.

O ativismo social será cada vez mais intenso, o consumo cada vez mais consciente e os recursos cada vez mais escassos.

Os negócios precisam transformar rapidamente seus modelos em formatos mais inteligentes e digitais, e a indústria mundial tem enormes desafios, que vão da falta de insumos até o choque da realidade transformacional, que poderá descartar gigantes em curto espaço de tempo. Não há mais garantias por tempo de existência, por tradição ou tamanho. O quesito hoje é relevância, agilidade, sustentabilidade e preço justo.

Na educação, o knockout é absoluto. As escolas terão alunos mais exigentes e com demandas diferentes. 2021 será o ano em que o aluno começa a escolher o que quer aprender e o professor se tornará um guia de experiências apenas. O ambiente da escola se tornará um local de socialização, não mais de distribuição e checagem de conteúdo.

A tecnologia bate de frente com a ética, e gigantes digitais terão que rever suas práticas abusivas. A melhor receita para este ano é preservar a si mesmo e aos seus. Teremos um ano tão ou mais difícil que o ano passado, e a sabedoria é extremamente necessária para quem quer viver bem. O recolhimento interno e a vida altruísta podem ser algo interessante enquanto o mundo se transforma.

LEIA MAIS COLUNAS DE JAQUELINE WEIGEL

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.