Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Conscientização

Outubro rosa: o ressignificar do câncer de mama

Não é muito contente que dona Leoni Terezinha Cardoso, 66, se despede do netinho todo fim de domingo. A vontade é de ficar por ali paparicando o pequeno Arthur, de 4 anos, até já não aguentar mais tanta farra. O dever de não baixar a cabeça, porém, a chama. É preciso descansar para segunda de manhã, bem cedinho, estar de pé. O despertador toca, Leoni se arruma e, na pequena mala que ajeita para passar cinco dias em Santa Cruz do Sul, carrega junto a saudade da família. E um caminhão de esperança. É com essa mala que, ao lado de outras companheiras de luta (pela vida), a moradora de Charqueadas entra na van e espera por mais uma semana de tratamento. Até o dia 25 de outubro, a contabilista passará por sessões de radioterapia no Hospital Ana Nery. Antes disso, fez cirurgia e oito sessões de químio. “Descobri o câncer de mama em novembro do ano passado. Desde então, a minha vida se resume em focar nesse tratamento e acreditar na vida”, diz.

Fátima Rosângela dos Santos, 54, já concluiu o mesmo processo pelo qual a colega que conheceu na Associação de Apoio a Pessoas com Câncer (Aapecan) passa. Agora realiza consultas periódicas e recebe uma medicação específica a cada 21 dias. A doença, ela descobriu há dois anos. Mas quem disse que ela deu chance para a tristeza tomar conta? “Quando eu recebi o diagnóstico, parecia que ficava pelo ar. Foi um choque. Na época, só pensava em morrer.” Ainda bem que a safreira logo tratou de buscar apoio psicológico. Aos pouquinhos, compreendeu que não se tratava de um diagnóstico de morte. Era, sim, uma nova chance. “Agora eu só tenho um propósito. É a minha vida e as pessoas que eu amo em primeiro lugar. Dou mais valor para isso e o resto dos problemas a gente dá um jeito de arrumar, né?”

Quem olha o sorriso da ex-auxiliar de cozinha Eva Machado Welch, 53, não imagina as batalhas que ele esconde. Foram duas vezes o mesmo (árduo) processo. O primeiro câncer veio em 2010. O segundo, em 2014. Agora lida com o luto da partida de seu filho mais novo, Rodrigo, 30 anos. Com altos e baixos, a santa-cruzense não esmorece. Entende que, por trás de cada dor, há um aprendizado. “Isolar-se do mundo não adianta nada. Eu procuro, sim, ajuda. E hoje me sinto até mais corajosa.” Os dois diagnósticos trouxeram para Eva um novo olhar sobre a vida. Por isso, ela passou a fazer atividades que antes sequer imaginava. Antes, focada naquele esquema trabalho-casa, andava sempre cansada. Hoje, após concluir o tratamento, faz dança, ginástica e até arrisca ir mais longe. 

“Eu fiquei até viajada, acredita? Esses tempos fui conhecer Gramado e Canela, e até pra Rio Grande já me aventurei”, conta toda orgulhosa. E os cabelos? Depois de perdê-los por causa da quimioterapia, Eva decidiu ousar. Prometeu que quando eles crescessem novamente, pintaria de vermelho. E assim o fez. Só não sabe explicar o porquê da cor. Deve ser essa vontade de mostrar para o mundo que se reinventou. “Eu sou o que eu não era antes.”

Novo olhar

Segundo a assistente social da Aapecan, Cláudia Lunardi, um dos grandes motes da instituição é trabalhar para que as pacientes entendam que, sim, há vida após o diagnóstico. Nesse sentido, ela ressalta que, pelo menos dentro da Aapecan, as mulheres são estimuladas a fazer atividades diferentes das que estavam habituadas. “O período do tratamento é aquele momento em que elas param, pois não podem trabalhar, e precisam encontrar outras ocupações. Aí entra o se reinventar por meio de passeios, outros vínculos de amizade. São novas trocas.”  

Entre as mulheres que procuram apoio através de terapias ou oficinas e chegam ao fim do tratamento, é constante a observação do que ela chama de “ressignificar pós doença”. “É lindo de ver como elas entendem a vida depois. É outro olhar, outra forma de seguir os dias.” 
Eva Machado que o diga. “No início da doença, eu ia do sofá para a cama e da cama para o sofá. Depois, quando me fortaleci, entendi que a cura só chega para quem ergue a cabeça, encara o tratamento e confia.”

É preciso insistir: autoexame representa autoconhecimento

Conforme a ginecologista e mastologista Andreia Rauber, hoje o diagnóstico precoce oferece chances mais expressivas de cura do câncer de mama. Nesse sentido, ela orienta que toda mulher se toque. “Autoexame é autoconhecimento. Quando a mulher se acostumar com a mama normal, vai perceber quando existir alguma alteração”, afirma. 

Segundo a especialista, é preciso, sempre, ficar alerta aos sintomas que podem estar associados ao câncer. “As pessoas comentam que é sempre a mesma coisa, mas se não insistirmos, mais diagnósticos precoces deixarão de ser feitos.” A recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia é a realização da mamografia entre mulheres a partir dos 40 anos, pelo menos uma vez por ano. Fique atenta.

Mastectomia preventiva

A mastectomia profilática (remoção da mama) ficou mais conhecida em outubro do ano passado, quando a atriz Angelina Jolie, que perdeu a mãe por esse câncer, decidiu encarar o procedimento a fim de evitar um futuro diagnóstico da doença. Conforme a mastologista Andreia Rauber, a cirurgia é válida, mas não se pode “banalizar”. “Depois dessa história ser divulgada na mídia, muitas pacientes ficaram interessadas em fazer o procedimento.” 

Segundo a especialista, o procedimento somente é indicado como alternativa preventiva quando há comprovação de um câncer com mutação genética na família. Para isso, é preciso solicitar ao especialista o encaminhamento de um exame de avaliação de mutação. “Hoje o câncer genético de mama corresponde entre 5% e 10% de todos os diagnósticos. O restante nada tem a ver com hereditariedade”, complementa. 

Conforme a mastologista, a retirada da mama após a cirurgia é um dos fatores que mais afetam as pacientes. Ela acrescenta, entretanto, que quanto mais cedo for descoberto o câncer, mais chances há de se fazer uma cirurgia conservadora, que preserve a mama. No caso de a retirada ser necessária, uma possibilidade oferecida é a reconstrução mamária. “Ainda não é um acesso irrestrito, mas existe, sim, a possibilidade de executar esse procedimento pelo SUS”, explica Andreia. Em Santa Cruz do Sul, o Centro de Oncologia do Hospital Ana Nery oferece a cirurgia pelo Serviço Único de Saúde. É preciso, entretanto, avaliar cada caso. Alguns planos de saúde também ofertam a cobertura do procedimento.

 

Avanços no tratamento

Dentre os avanços no tratamento contra o câncer de mama, a mastologista Andreia Rauber destaca o trabalho multidisciplinar. “Hoje não é mais só o mastologista, oncologista e radioterapeuta. Nutricionistas, psicólogos, fisioterapeutas e enfermeiros exercem um papel fundamental.” Como exemplo, ela cita a atuação do nutricionista ao longo da quimioterapia. Isso porque a medicação endovenosa atua de forma sistêmica, ou seja, agride também as células saudáveis e gera disfunções gastrointestinais e náuseas. Nesse sentido, o profissional atua para minimizar os efeitos colaterais, controle de peso e aumento da imunidade. 

Um dos tipos de tratamento mais recentes é a terapia biológica. “Trata-se de medicações endovenosas, mas que não são consideradas quimioterapias. Elas exercem o papel de controle da doença”, acrescenta. Outra possibilidade é a hormonioterapia, que consiste em medicamentos via oral usados no prazo de cinco a dez anos. Para aplicar esse tratamento, é necessário que o tumor responda aos hormônios. “Além de ajudar no tratamento do câncer, também auxilia para diminuir os riscos de a doença voltar. Por isso é mais prolongado.”  

Exposição rosa e ousada

Tá vendo essa foto aí? Ela está exposta no Shopping Santa Cruz até este domingo, na mostra Lenços de Esperança, Fé e Vitória. Organizado pela Aapecan, o trabalho tem o intuito de evidenciar a beleza e a força de pacientes que enfrentaram ou enfrentam o câncer de mama. Enquanto eram clicadas, a ideia foi se libertar das amarras que a doença um dia trouxe e, de quebra, demonstrar autoestima. Nossas entrevistadas Fátima e Eva arrasaram nas poses ao lado das outras meninas. Sensibilidade ímpar da Mundy Fotos.

Serviços em Santa Cruz

Centro de Oncologia do Hospital Ana Nery

(51) 2106-4400 / http://www.hospitalananery.com.br/CentroOncologia/
Rua Pereira da Cunha, 209
Atende em sua maioria pacientes do SUS das cidades da 2ª e 13ª Coordenadorias Regionais de Saúde (CRSs)

Saint Gallen – Instituto de Oncologia
(51) 3715-6586 /www.saintgallenoncologia.com.br/
Rua Marechal Deodoro, 1139

Clínica Leben
(51) 3053 1616/ clinicaleben.com.br/
Rua Thomaz Flores, 970

Clínica de Oncologia Unimed
(51) 3713-4385/ www.unimedvtrp.com.br/clinicadeoncologia/
Rua Marechal Floriano, 1578

APOIO A PACIENTES

Associação de Apoio a Pessoas com Câncer (Aapecan)
(51) 3056 9500/ www.aapecan.com.br
Rua Dorval Martins, 249

Associação de Assistência a Pacientes Oncológicos e Transplantados (Aapot)
(51) 3715-1127/ http://aapot.com.br/
Rua Amapá, 170

Liga Feminina de Combate ao Câncer de Santa Cruz do Sul
(51) 3719 5819
Rua Pereira da Cunha, 209 (anexo ao Hospital Ana Nery)

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.