Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

GESTAÇÃO

Parto prematuro: saiba quando é indicado

A novela “Um Lugar ao Sol”, em exibição na TV Globo, traz o dilema da personagem Ilana (Mariana Lima) que, grávida de gêmeas, é informada por sua médica que uma das bebês não tem espaço para crescer, sendo indicado um parto prematuro. A ação é a única chance de salvar a bebê, porém, coloca em risco a vida da outra criança, que está crescendo saudável. Na trama, a personagem decide pelo parto antecipado, mas desiste no dia da cirurgia. No entanto, pouco tempo depois, ela entra em trabalho de parto, precisa ser submetida a uma cesariana de emergência e uma bebê não resiste.

O ginecologista e obstetra Adriano Paião, que também é conselheiro científico da ONG Prematuridade.com, explica que o caso abordado na novela é denominado como “parto prematuro terapêutico” e é decorrente de indicação médica para o nascimento antes de 37 semanas de gravidez, devido a complicações como doenças maternas ou fetais. Segundo dados de 2014 publicados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), esse tipo de prematuridade é responsável por 20% a 40% dos partos prematuros no mundo, variando conforme as condições de assistência médica locais.

LEIA MAIS: Parto humanizado: outras formas de vir ao mundo

“Uma das principais complicações que leva à interrupção da gestação por indicação médica antes do tempo ideal, é a hipertensão (pressão alta)”, ressalta Paião. Dados do Boletim Epidemiológico publicado pelo Ministério da Saúde em maio de 2020 mostraram que a hipertensão foi a principal causa direta de morte materna dos óbitos ocorridos entre 1996 e 2018, seguida de hemorragia, infecção puerperal e aborto.

O médico fala que, quando a pressão está alta, provoca um esforço maior do coração para que o sangue seja distribuído corretamente pelo corpo. “Por isso, é de extrema importância que a gestante faça a aferição dos níveis pressóricos a cada consulta médica”, salienta.

A pré-eclâmpsia ocorre pelo aumento da pressão arterial (igual ou maior que 140 x 90 mmHg), após a vigésima semana, associada à lesão de algum órgão alvo, como os rins, fígado, cérebro, coração, entre outros. “É mais comum nos extremos de idade e na primeira gravidez”, pontua. “Para retardar o nascimento e evitar os efeitos da prematuridade, é possível manter a gestação até fases mais avançadas com uso de anti-hipertensivos. O controle deve ser mantido até 42 dias após o parto, pois as substâncias liberadas na placenta e que elevam a pressão arterial demoram a serem metabolizadas”, acrescenta.

Especialistas apontam um aumento da prematuridade terapêutica em várias regiões do mundo nas últimas décadas. “A questão pode estar associada com o aumento das doenças maternas crônico-degenerativas, como a hipertensão, diabetes, síndrome metabólica, entre outras. Além disso, o perfil materno tem mudado, com a mulher engravidando mais tarde e com mais problemas de saúde. A obesidade, estresse, o consumo de álcool e fumo são outros fatores que contribuem para complicações durante a gravidez e que, por vezes levam à necessidade do parto prematuro terapêutico”, salienta Paião.

LEIA MAIS: Metade das cesáreas no Brasil é feita com hora marcada, aponta IBGE

Covid e parto prematuro terapêutico
O médico fala que não é possível afirmar que a Covid-19 tem relação com a prematuridade, no entanto, o vírus aumentou a prematuridade terapêutica. “Pacientes com o vírus e que necessitem ser entubadas podem ter a recomendação médica do parto prematuro terapêutico”, diz.

Prevenção
Dependendo do grau de imaturidade, o recém-nascido precisará de tratamento, geralmente na UTI neonatal, para diminuir ao máximo a possibilidade de sequelas. “Esse é o grande problema da prematuridade, por isso, a prevenção é fundamental para evitar as sequelas, que podem impactar não só na idade infantil, mas até na fase adulta”, destaca.

O conselheiro científico da ONG Prematuridade.com pontua que é de extrema importância esclarecer e conscientizar as gestantes sobre os fatores relacionados à questão “É muito importante que haja um trabalho de prevenção em unidades primárias ou secundárias de saúde, com esclarecimentos e uma abordagem criteriosa para identificar precocemente o risco de complicações e promover intervenções para evitá-las”, ressalta. “E, para as mulheres, conversem com o ginecologista antes mesmo de engravidar. Ele poderá lhe dar conselhos muito úteis para que você inicie a gravidez de maneira saudável e evite um parto antes da hora”, conclui.

LEIA TAMBÉM: Conheça os primeiros sintomas do trabalho de parto

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.