Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Memória

Primeiros desfiles do Dia da Independência em Santa Cruz eram em frente à Catedral

Foto: Arquivo Pessoal

Desfile de 7 de Setembro, em 1949, contou com a presença dos militares na Ramiro | Foto: Arquivo de Luiz Kuhn

O Brasil para nesta terça-feira a fim de comemorar os 199 anos de sua independência, conquistada em 7 de setembro de 1822. Naquele dia, dom Pedro I cortou os laços da colônia com Portugal. 

Devido à pandemia, amanhã não teremos o tradicional desfile cívico-militar, que sempre foi uma grande atração. As celebrações na cidade tornaram-se mais expressivas a partir de 1930, na era Vargas. Entidades, empresas, atletas, ginastas, clubes e escolas participavam das atividades da Semana da Pátria, que consistiam em jogos, eventos cívicos e culturais, corridas de ruas e outras, culminando com o desfile de 7 de Setembro. 

Os primeiros desfiles eram na Rua Ramiro Barcelos, na única quadra pavimentada da cidade (entre a Floriano e a Marechal Deodoro). Para garantir um ar mais solene, na frente da Catedral, no canteiro que divide as pistas da Ramiro, era instalado o Altar da Pátria. O palanque, bem ornamentado, recebia as autoridades.

A partir de 1943/44, com a chegada do Exército, os desfiles ganharam uma dimensão ainda maior, com a participação dos militares. Para dar mais espaço ao público, o Altar da Pátria passou a ser montado na calçada em frente da Catedral.

Por volta de 50, foi construída a Pira da Pátria na Praça Getúlio Vargas, de frente para a Catedral. Ali era aceso e mantido o Fogo Simbólico e ocorriam as horas cívicas, com hasteamento e arriamento da Bandeira do Brasil ao longo da Semana da Pátria. 

Logo, o desfile foi transferido para a Rua Marechal Floriano, que já estava pavimentada e oferecia mais espaço. E outras atrações vieram, como as bandas marciais dos colégios Mauá, São Luis e Sagrado Coração de Jesus. Elas contagiavam o público com ritmo e belas evoluções.

Algumas escolas públicas também se destacavam e criaram suas bandas. A Escola Rural Murilo Braga era muito aplaudida, pois apresentava produtos da sua horta e pomares e exemplares dos animais domésticos que criava.

Bandas marciais, das escolas particulares e públicas, eram uma das atrações nas paradas | Foto: Arquivo de Luiz Kuhn

LEIA MAIS COLUNAS DE ZÉ BOROWSKY

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.