Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

FALANDO EM DINHEIRO

Problemas financeiros e a depressão

Foto: Freepik.com

Em 1994, começou, nos Estados Unidos, o movimento da fita amarela, depois que um adolescente americano de 17 anos se suicidou. Desde então, surgiram várias iniciativas de prevenção ao suicídio: a Organização Mundial da Saúde (OMS) chancelou o dia 10 de setembro como data especial para chamar a atenção para o suicídio; no Brasil, em 2015, o Centro de Valorização à Vida (CVV) criou o mês do Setembro Amarelo; em Santa Cruz do Sul, por mobilização dos voluntários do CVV, foi aprovada a lei municipal 7.829, instituindo o Setembro Amarelo; o empresário Cláudio Spengler, autor do livro Viver sempre, autoextermínio nunca, mantém, há vários anos, o “Enxugando Lágrimas – Grupo de Autoajuda no Combate à Depressão” além de dar palestras sobre o assunto. O objetivo de cada uma dessas iniciativas, dentro de suas áreas de atuação e abrangência, é promover a conscientização e prevenção do suicídio.

Trata-se, evidentemente, de um assunto grave e, ao mesmo tempo, triste e delicado, que passa quase despercebido. De acordo com a dra. Cláudia Weine Cruz, que pesquisa casos de suicídio, existem várias vertentes que podem levar ao suicídio: biológicas (depressão e demais transtornos); sociológicas (homens-bomba e esposas de hindus que se imolam junto ao marido morto); e subjetivas (questões psicológicas). Diz a doutora Cláudia que, geralmente, o suicídio vem precedido de um quadro de depressão, durante algum tempo. O potencial suicida sempre emite sinais que as pessoas do entorno não reconhecem, achando tratar-se de frescura ou coisa de alguém que quer chamar a atenção.

Considerada epidemia mundial – o mal do século 21, conforme definiu a OMS –, a depressão ataca os jovens que sofrem mais com bullying, falta de adaptação social, mau desempenho escolar, cobranças; aos idosos, por falta de sentido na vida; e aos adultos, por uma série de problemas, entre eles as dificuldades financeiras.

Para se ter uma ideia, um levantamento do Serasa apurou que o número de pessoas com o CPF negativado nos órgãos de proteção ao crédito chega a 63 milhões, atingindo quase 70% das famílias brasileiras. Já uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), mostrou que cerca de 70% dos inadimplentes sofrem de ansiedade e outros impactos emocionais negativos por não conseguirem manter as contas em dia.

Quando não se consegue pagar todas as contas do mês, no início sempre se acha alguma desculpa: o baixo salário, gastos não previstos, ou, desde março de 2020, a pandemia da Covid-19 que, efetivamente, trouxe ou potencializou inúmeros impactos – principalmente, redução ou perda de renda –, com reflexos na saúde mental das pessoas. Além disso, o aumento dos preços dos alimentos, energia elétrica, gás, transportes e combustíveis diminuem o poder de compra dos brasileiros, sobrando menos dinheiro para pagar dívidas.

Independentemente do motivo, as dívidas começam a se acumular, perdendo-se o controle da situação, e isso, em alguns casos, pode desencadear uma série de distúrbios, como baixa autoestima, insônia, irritabilidade, ansiedade, alimentar e depressão. Conforme diz o psiquiatra dr. Fernando Godoy Neves, a depressão pode levar ao suicídio, embora nem todas as pessoas que sofrem desse mal tenham pensamentos suicidas ou o cometam.

Neste contexto, Reinaldo Domingos – PhD em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira, além de autor de diversos livros – postou, em seu canal Dinheiro à vista, o vídeo “Educação Financeira e Depressão”. Nele, Reinaldo fala que, quando o assunto é dinheiro – e não é só a escassez, a sobra também – a chance de entrar em depressão é quatro vezes maior que qualquer outra causa. Com problemas financeiros, inadimplente e com o nome sujo a pessoa fica acuada, triste e acaba em depressão. É o momento de pessoas do entorno – da própria família, dos grupos de amizades, religiosos ou mesmo da empresa – procurarem oferecer ajuda.

Em situações mais graves, cabe sugerir ou encaminhar a pessoa que sofre com depressão e outras doenças mentais ou físicas a psicólogo ou psiquiatra. Mas, na maioria dos casos, uma boa conversa já pode ajudar a pessoa com problemas financeiros a mudar o seu foco.

Em seu vídeo, Reinaldo Domingos descreve 5 passos para instruir a conversa com a pessoa que está em depressão, decorrente de problemas financeiros:

  • 1º) conversar com ela: muitas vezes, a pessoa não quer falar sobre o problema específico que a aflige; então, descobrir assuntos que a interessem, como futebol, por exemplo, a partir do que a conversa pode entrar em outros temas, inclusive o que a está preocupando;
  • 2º) atender aos custos: apurar a soma das pendências financeiras, a disponibilidade para parcelar débitos (salvaguardado o valor da renda que atenda ao mínimo existencial), e auxiliar na elaboração de um plano de renegociação das dívidas;
  • 3º) como fazer? Identificar a causa do endividamento; talvez tenha sido a simples falta de controle e organização financeira ou compras sem planejamento: é preciso fazer escolhas para reduzir gastos; cabe também procurar alternativas de ganhos;
  • 4º) comemorar conquistas, mesmo que pequenas: significam que é possível reduzir despesas e poupar dinheiro, por menores que sejam;
  • 5º) ter um projeto de vida -pessoal e familiar – que o motive a levantar toda a manhã e trabalhar por sua realização; às vezes, até pessoas com muito dinheiro não sabem o que fazer com ele porque não tem projetos que as realizem como pessoas.

Por fim, é importante saber que a saúde está muito atrelada à vida financeira. Por isso, é preciso ficar atento a isso e repensar o planejamento financeiro para que a situação volte a ficar reequilibrada. A educação financeira pode ajudar justamente por ser uma ciência que pretende promover mudança de comportamentos, hábitos e costumes em relação ao dinheiro.

LEIA OUTROS ARTIGOS DE FRANCISCO TELOEKEN

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.