Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

JTI

Programa utiliza a educação no combate ao trabalho infantil

p.p1 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 11.0px; font: 11.0px ‘TodaySHOP-Regular’}
p.p2 {margin: 0.0px 0.0px 0.0px 0.0px; text-indent: 11.3px; line-height: 11.0px; font: 11.0px ‘TodaySHOP-Regular’}

Manter as crianças longe da lida na lavoura é uma das prioridades da indústria do tabaco. E, na JTI, essa preocupação se apresenta em forma de ação. Colaborar para prevenir e erradicar o trabalho infantil do cultivo nos países onde atua, por meio da inclusão, e garantir o acesso à educação e geração de renda nas propriedades rurais, além de dar suporte às iniciativas públicas e privadas, são bases de sua agenda social. Por isso, a empresa desenvolve o programa Alcançando a Redução do Trabalho Infantil pelo Suporte à Educação (Arise, na sigla em inglês para “Achieving Reduction of Child Labor in Support of Education”).

A iniciativa é desenvolvida no Brasil, no Malawi, na Tanzânia e na Zâmbia por uma parceria público-privada (PPP) com a Winrock International, instituição não governamental que trabalha em projetos voltados ao atendimento de populações rurais, em especial nos países em desenvolvimento.

LEIA MAIS

Com uma visão que abrange os aspectos ambientais, sociais e econômicos do cultivo de tabaco, a JTI está comprometida com a atuação responsável e o incentivo às melhores práticas. O diretor de Assuntos Corporativos e Comunicação da JTI Brasil, Flavio Goulart, lembra que a companhia tem fornecedores e unidades de processamento em diversos países, o que a coloca em contato direto com milhares de produtores de tabaco e comunidades. “É importante melhorar a sustentabilidade dessas populações e, por extensão, de nossa cadeia de fornecedores. Canalizar esforços para eliminar o trabalho infantil, incentivar a educação e ações públicas e privadas que revertam em melhor qualidade de vida e desenvolvimento é algo que podemos fazer por essas sociedades.”

Foto: Divulgação

 

Um dos principais meios de contato da indústria de tabaco com o produtor rural é o orientador agrícola. Ele faz visitas periódicas para dar informações sobre tecnologias, discutir estratégias e acompanhar o desempenho da cultura. Mas a partir do programa Práticas de Trabalho na agricultura (ALP), o orientador se tornou também um agente da JTI para identificar e diagnosticar situações em que podem ser implementadas ações sociais e educativas de suporte para a família rural e de acompanhamento das práticas de trabalho.

Arise

p.p1 {margin: 8.5px 0.0px 0.0px 0.0px; line-height: 11.0px; font: 11.0px ‘TodaySHOP-Regular’}

No País desde fevereiro de 2012, o programa Arise contempla os municípios de Arroio do Tigre, Ibarama, Lagoa Bonita do Sul e Sobradinho, na região Centro-Serra do Rio Grande do Sul, onde o tabaco é a principal renda de pequenas propriedades. “É um laboratório social que permite uma base comparativa, operações concentradas, acompanhamento detalhado das ações e seus resultados, cujas melhores práticas poderão ser aplicadas em outras regiões na etapa de expansão”, afirma Goulart.

Alguns exemplos de ações que deram certo e repercutiram na proposta de medidas inclusivas e erradicação do trabalho infantil por meio da educação, propostas pelo Arise, são o treinamento de conscientização de agentes públicos de saúde e de educação para o papel que exercem na rede de proteção à criança e ao adolescente e a capacitação de funcionários das prefeituras para captarem recursos de programas sociais, educacionais e de geração de renda, tanto estaduais como federais. Também merece ênfase, frisa a supervisora de Projetos Sociais, Marinês Kittel, a proposta de ajuste em algumas regras da lei da aprendizagem, que têm foco muito urbano, para a realidade rural. Ela é alvo de um projeto social piloto, que envolve 12 bolsas de estudo custeadas pela JTI para alunos da escola Família Agrícola de Santa Cruz do Sul (Efasc), a qual hospeda os jovens aprendizes. O objetivo é qualificar os adolescentes para atividades agrícolas múltiplas, mas também para gestão, sucessão, liderança e participação comunitária, entre outros fatores.

A JTI ainda é integrante, como fundadora e participante ativa, do Instituto Crescer legal, criado pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (Sinditabaco). O Crescer Legal oferece subsídios para que o jovem permaneça e se desenvolva no meio rural, por meio de atividades de aprendizagem que levam a oportunidades de geração de renda e desenvolvimento das habilidades e potencialidades.

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.