Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Oficina de costura

Projeto ‘Gente que costura amor’ retoma atividades em Santa Cruz

Foto: Guilherme Neuhaus/Secom

Paralisada desde março de 2020, por causa da pandemia, iniciativa está recomeçando em Santa Cruz

Costurar uma bainha, apertar uma calça, trocar um fecho. Embora ainda falte muito para se considerar uma costureira de mão cheia, a dona de casa Ivanice Ribeiro Silva, 38 anos, moradora do Santa Vitória, segue esse caminho e até ganha algum dinheiro com as pequenas reformas que já aprendeu a fazer. Ela é uma das alunas que está retornando ao projeto Gente que costura amor, coordenado pela Secretaria Municipal de Habitação, Desenvolvimento Social e Esporte. Trata-se de uma oficina de costura que acontece duas vezes por semana no Cras Beatriz Frantz Jungblut.

Suspensas desde março do ano passado, por conta da pandemia, as aulas estão recomeçando com duas turmas de alunas, uma no turno da manhã e outra no turno da tarde, nas segundas e quartas-feiras. Os materiais como tecidos, linhas, agulhas e tesouras são fornecidos pela Prefeitura. Nas aulas, a instrutora Maisa Winck Esteves, costureira há 28 anos, ensina todos os segredos do pachtwork e da costura criativa.

LEIA TAMBÉM: Santa-cruzense costura cobertores para doação

O foco da oficina não é a profissionalização, mas a preparação para o exercício da atividade como um meio de geração de renda acaba sendo um caminho natural. Foi o que aconteceu com a filha de Ivanice, que em 2019 frequentou a oficina e pouco tempo depois foi contratada por uma fábrica de estofaria. “Ela passou bem pouco tempo aqui, logo aprendeu a costurar e já conseguiu trabalhar”, conta, orgulhosa.

Quando não está cuidando dos netos Ivanice está na oficina, onde aprendeu tudo do zero, desde ligar a máquina. “Adoro estar aqui, por isso sempre venho. Já fiz máscara, tapete, avental. Em casa faço pequenas reformas para fora. Ainda não me meto a fazer roupas, mas tenho muita vontade de aprender a costurar um macacão.”

Outra aluna motivada é a dona de casa Simone Zilch, 31 anos, mãe de duas crianças, de 10 e 8 anos. Enquanto os filhos estão sob os cuidados da avó, ela aproveita para frequentar as aulas. Embora seja filha de costureira, envolvida em outras tarefas da casa ela acabou não aprendendo o ofício, mas agora começou a praticar com gosto. “É muito bom, quero aprender tudo.”

LEIA TAMBÉM
Professora faz mochilas a partir de sacos de ração
Conheça a oficina Moda Barbie, oferecida em Santa Cruz do Sul

Vínculos

Para a coordenadora do Cras Beatriz, Ana Bachmann, o que de mais importante se pode ressaltar do projeto é a oportunidade que as mulheres têm de criar vínculos umas com as outras, de se empoderarem e desenvolverem habilidades que contribuam para o aumento da autoestima. Muitas são selecionadas pelas assistentes sociais, que identificam situações de violência doméstica. Ao tirarem essas mulheres de casa, revelam a elas a possibilidade de novos horizontes. “Elas ficam mais empoderadas e passam se sentir mais úteis, percebem o valor que têm”, observa.

Atualmente, as vagas para o projeto Gente que costura amor são limitadas e não há como absorver toda a demanda de pessoas interessadas. Faltam máquinas de costura doméstica para que mais mulheres possam participar. Portanto, empresas ou pessoas físicas que desejem doar equipamentos podem entrar em contato com o Cras Beatriz pelo telefone (51) 3711 9187. A ajuda será muito bem-vinda.

LEIA TAMBÉM
Apenadas do Presídio de Santa Cruz finalizam curso de corte e costura
O trabalho prisional como ferramenta de ressocialização

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.