Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Ricardo Düren

Rescaldos da enxurrada

Posso dizer que já passei por vários momentos tensos na vida, daqueles que ficam gravados na memória. Quando era repórter policial, por exemplo, acompanhei perseguições e até alguns tiroteios – sem colete e desarmado. Houve também uma ocasião, durante um passeio em Rio Grande com a Patrícia e as crianças, em que fomos surpreendidos por uma tempestade repentina à beira-mar. Estávamos em um ponto isolado da Praia do Cassino – uma das mais extensas do mundo – e foi um sufoco retornar à civilização abaixo de uma chuva que vencia os limpadores do para-brisa, rodando sobre a areia encharcada e mergulhando o automóvel em córregos que, pela força das águas, simplesmente brotaram no caminho da orla.

E não há como não mencionar o nascimento dos nossos filhos, quatro momentos marcados por um misto de nervosismo, ansiedade e, por fim, indescritível alegria.

A esta coleção de momentos tensos, alguns tristes, outros felizes, acrescento a enxurrada da quinta-feira retrasada. A sensação de ver a água avançando rápido da rua para o pátio, na iminência de invadir a casa, sem proporcionar qualquer chance de reação, é angustiante. Não, não pense o leitor que irei me queixar – na verdade, tenho muito a agradecer, pois a enchente manteve-se fora de casa por questão de meio centímetro. O que pretendo, na coluna de hoje, é me solidarizar com quem não teve a mesma sorte.

***

O que nos salvou de ter a casa invadida pela água foi a geografia do terreno, com um quintal abaixo do nível da rua e da própria moradia. Quando a rua alagou – algo que nunca havia acontecido por aqui – a água começou a descer rápido por uma rampa que dá acesso ao quiosque, localizado aos fundos, logo se esparramando pelo quintal e avançando sobre a cerca, rumo a uma área verde que faz divisa com nosso pátio. A cena parecia a de uma barragem rompida. Foi como se, repentinamente, um rio tivesse brotado ao lado de casa, com perigosa correnteza, arrastando tudo o que havia pela frente – inclusive o pesado portão de acesso do carro. Em questão de minutos, o quintal estava sob um metro de água.

Simplesmente não havia o que fazer, além de assistir à fúria da natureza e balbuciar algumas preces.

– Será que a água vai subir mais, pai? Vai chegar aqui dentro? – perguntavamme as crianças, a todo momento.

– Não, já vai baixar – respondia, sem muita convicção, diante da chuva que não parava de cair.

Como se não bastasse toda a tensão, no meio do corre-corre para assistir àquelas cenas entre uma janela e outra, a caçula, Ágatha, escorregou no piso úmido e caiu um tombão, aterrissando ao solo em um horrendo espacate. Já nervoso, ralhei com ela e mandei que ficasse parada em um mesmo lugar. O que a deixou ainda mais brava:

– Só pra avisar – grunhiu a caçula. – Doeu!

***

Minha esposa estava visitando a mãe dela na hora da enxurrada e voltou para casa com água pela cintura. No caminho, presenciou cenas de dor e aflição – carros submersos, uma mãe abandonando uma casa alagada, trazendo consigo um bebê no colo, uma família inteira aos prantos enquanto a água arrasava os móveis. Em todo o nosso bairro, e também na nossa rua, teve gente calculando prejuízos no dia seguinte. Felizmente, ninguém se feriu.

Aqui em casa, os danos ficaram restritos ao portão, que se dobrou sobre o próprio motor, e ao quiosque, coberto por uma grossa camada de barro, difícil de limpar – o que nos deu ideia da aflição de quem teve sala, cozinha e quartos cobertos por essa lama.

A estes vai meu sentimento de solidariedade e também uma reflexão que vem me acompanhando nos últimos dias: de certa forma, um temporal como aquele resume o que é nossa vida – um contínuo conquistar, perder e reconquistar. Sei que isso pode soar hipócrita, vindo de quem teve apenas um portão danificado e um quintal alagado – além de um grande susto. Mas, diante de tudo o que já vi, ouvi, li e aprendi, penso que o ciclo da nossa existência, como seres humanos, é esse: batalhamos, insistimos, ganhamos e, muitas e muitas vezes, perdemos. Perdemos por descuidos, por momentos de bobeira, por força da natureza e, historicamente, até por conflitos. A cada perda, sofremos e choramos, mas então levantamos a cabeça e batalhamos novamente.

Já dizia o samba de Paulo Vanzolini, este sim um grande sábio:

Reconhece a queda
E não desanima
Levanta, sacode a poeira
E dá a volta por cima.

***

Claro que, em momentos como esse, a solidariedade é imprescindível, principalmente para quem já vivia em situação precária. Muita gente que escapou apenas com a roupa do corpo – completamente encharcada – precisará de ajuda para recomeçar e, mesmo, para garantir a sobrevivência da família. Portanto, para aqueles que, como eu, tiveram sorte naquele e em outros temporais, gostaria de deixar um apelo: ainda dá tempo de auxiliar a quem precisa. A solidariedade é, também, parte do ciclo da vida. É, também, o que faz de nós seres humanos.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE RICARDO DÜREN

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.